Aeronaves do Governo paranaense atendem e apoiam equipes de socorro

- Anúncio -
Print Friendly, PDF & Email

Paraná – A frota aérea do governo estadual está atuando de forma intensa no atendimento das pessoas que sofrem os efeitos das chuvas intensas dos últimos dias. Além de três helicópteros do Batalhão de Polícia Militar de Operações Aéreas (BPMOA), atuam mais dois aviões e um helicóptero da Casa Militar do Governo do Paraná.

Só as aeronaves do BPMOA realizaram, desde o último sábado e até terça-feira (10), quase 19 horas de voos para remoção de vítimas, transporte de alimentos e remédios, além de sobrevoos para suporte técnico ao trabalho das equipes da Defesa Civil e do Corpo de Bombeiros.

????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????

A participação da frota aérea do Estado foi determinada pelo governador Beto Richa para dar mais agilidade ao atendimento emergencial da população e suporte às equipes do governo. “O serviço aéreo é essencial para garantir mais eficiência e agilidade no atendimento aos paranaenses em situações de emergência”, afirma Richa.

A partir de 2011, o grupamento aéreo passou a integrar as ações do programa Paraná Seguro e recebeu reforço de equipamentos e de estruturas. Além da base de Curitiba, foi criada, também, a primeira descentralizada no Interior, em Londrina.

CHEGAR MAIS RÁPIDO – O comandante do BPMOA, tenente-coronel Orlando Artur da Costa, explicou que o grupamento aéreo apoia as ações da Defesa Civil, do Corpo de Bombeiros e de policiais nas operações terrestres. “Quando acontece uma calamidade, as aeronaves e toda a estrutura do BPMOA são voltadas para o atendimento de pessoas que estão em locais onde os meios convencionais não chegam”, disse o comandante.

O tenente-coronel citou como exemplo o atendimento feito na última terça-feira (10), quando o grupamento foi acionado para transportar uma gestante de risco, de São João do Triunfo, uma das cidades afetadas pelas chuvas. “A cidade estava isolada e a única forma de chegar era de barco, porque as pontes foram totalmente destruídas. Fomos até o município com o helicóptero equipado e transportamos a gestante, junto com uma enfermeira do hospital local, para Ponta Grossa, onde já existia uma estrutura aguardando. Tivemos a notícia de que a criança nasceu com saúde e a mãe também está bem”, contou o comandante.

SUPORTE PARA AÇÕES – O tenente João Gustavo Araújo Carneiro está atuando com as aeronaves do BPMOA desde o início da semana. “Levantamos o panorama de Guarapuava e depois de São Mateus do Sul, União da Vitória e Cruz Machado”, contou ele.

“Os dados permitiram que a equipe da Defesa Civil planejasse as medidas mais emergenciais e realizasse a distribuição de donativos para as famílias que mais estão sofrendo com os alagamentos”, afirmou. Somente por terra, as equipes da Defesa Civil às vezes não conseguem ter o panorama real e atualizado da situação para definir as medidas a serem tomadas.”

Segundo o tenente, por solicitação do governo estadual e pelas notícias, o primeiro município atendido foi Guarapuava. Em seguida os sobrevoos mostraram urgente necessidade de atendimento em União da Vitória.

“Por conta disso, toda a estrutura do Estado, que envolve Defesa Civil, Polícia Militar e Corpo de Bombeiros, está se mobilizando para que a central passe a ser União da Vitória até que a situação se estabilize”, disse ele.

Na terça-feira, o tenente Carneiro esteve em Marquinho, na região Centro-Sul, para uma entrega urgente de medicamentos no município, que estava isolado por causa da queda de pontes. “Levamos 25 caixas de medicamento para as pessoas de lá”, contou ele.

ESTRATÉGICO – O comandante do BPMOA explica que dentro dos planos estratégicos do governo do Beto Richa o grupamento foi descentralizado, com uma base em Londrina, criada há cerca de três anos, e que há a intenção de descentralizar mais uma base no interior do Estado.

“Isso permite atuação de forma rápida não só nas calamidades, mas também no dia a dia na segurança pública e apoiando as equipes da saúde no transporte de enfermos. O grupamento aéreo faz a diferença nesse tipo de atendimento”, explicou.

MAIS DE MIL VIDAS – De 2011 até abril de 2014, o Batalhão de Polícia Militar de Operações Aéreas já havia salvado 1.023 vidas de pessoas vítimas de desastres naturais, acidentes automobilísticos e domésticos.

No período, foram 1.460 missões entre operações policiais (ocorrências e treinamentos), resgate de vítimas, transporte aeromédico e atendimento a calamidades.

Foram 510 atendimentos às vítimas de desastres naturais, como enchentes e deslizamentos de encostas. Entre as missões realizadas pelo Batalhão, está o resgate, em conjunto com a Defesa Civil do Paraná, em um único dia, de 169 pessoas que estavam isoladas em áreas de risco após fortes chuvas que atingiram municípios do litoral paranaense, em março de 2011.

Também foram salvas com o auxílio das aeronaves, 513 vítimas de acidentes em estradas ou em áreas urbanas e rurais de municípios que não contam com condições de atendimento. Elas foram encaminhadas com urgência para hospitais regionais.

Os socorros são realizados em parceria com o Serviço de Atendimento Móvel com Urgência (Samu) e com o Serviço Integrado de Atendimento ao Trauma em Emergência (Siate).

Confira as fotos:

Fonte: Agência de Notícias do Paraná.

Fotos: José Gomercindo/ANPr

- Anúncio -

Escreva um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Comentários que contrariem a lei, a honra e a intimidade serão moderados.

Comentários

comentários