Minas Gerais – A implantação de um heliponto no Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (HC-UFTM), em Uberaba, foi discutida no início do mês de novembro entre representantes da Prefeitura e membros de 26 entidades lideradas pela Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (Adesg).

Se for viabilizado, o local vai servir principalmente, para atender o helicóptero Arcanjo 06, utilizado em resgates e salvamentos em Uberaba e região pela 4ª Companhia Especial de Operações Aéreas (4ª CEOA) do Corpo de Bombeiros. Atualmente, os pousos ocorrem no campo aberto do Uberaba Tênis Clube (UTC), no Bairro Abadia, que é o local mais viável e próximo ao HC-UFTM.

Projeto mostra onde ficaria heliponto no Hospital de Clínicas da UFTM em Uberaba — Foto: Marco Aurélio/Prefeitura de Uberaba

Segundo o comandante do 8º Batalhão de Bombeiros Militar (8º BBM), tenente-coronel Anderson Passos, 84% das pessoas que sofrem traumas, como acidentes de trabalho e de trânsito, morrem na primeira hora após o acontecido. Por isso, segundo ele, construir o heliponto no HC-UFTM pode aumentar a chance de sobrevivência das vítimas, reduzindo ainda a possibilidade de lesões e as morbidades.

“O problema de pousar fora do hospital é ter que retirar o paciente, colocar na ambulância, coloca no helicóptero, transporta, tira do helicóptero, coloca em outra ambulância para ser levado ao hospital. Essas etapas em que os pacientes – sempre muito graves – são manipulados é um problema. Ter um heliponto junto ao hospital aceleraria este processo”, afirmou.

Na reunião, além da construção do heliponto, o grupo apresentou projeto para construção de três andares para receber o helicóptero, com acesso direto ao interior do HC-UFTM, e uma entrada exclusiva tanto do Pronto Socorro, quanto do Ambulatório Maria da Glória, oferecendo mais segurança e conforto aos pacientes que chegam, aos servidores e também aos familiares e acompanhantes dos pacientes.

“A possibilidade do heliponto vem somar ainda mais os esforços no sentido de propiciar maior rapidez a esse paciente vítima de traumas, porque minutos fazem toda a diferença entre a vida e a morte”, disse superintendente do HC, Ana Lúcia de Assis Simões.

Escreva um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

dois × 2 =

Comentários que contrariem a lei, a honra e a intimidade serão moderados.

Comentários

comentários