Em serviço desde Agosto/09, a nova aeronave de Virginia Beach

Durante várias horas por dia e de noite, existem olhos à vigiar a cidade de cima. Eles procuram no horizonte colunas de fumaça, inspecionam os telhados e ruas por sinais de problemas. Eles estão prestes a virar os holofotes sobre os fugitivos, arrancam as almas aflitas da água ou vítimas de acidentes para o hospital mais próximo.

Se o guardião aéreo da cidade tivesse um nome, seria Victor – 911, Victor Bravo – o sinal de chamada do helicóptero do Departamento de Polícia de Virgínia Beach.

O Bell 407 del 2,9 milhões dólares é uma das mais novas ferramentas no arsenal do departamento de combate ao crime. Ele serve também para uma função nova, trazendo a bordo os paramédicos voluntários para evacuar doentes em estado crítico de saúde para o hospital.

Desde que o Bell 407 entrou em serviço em agosto/09,  a capacidade de evacuação médica do helicóptero foi usada duas vezes – em outubro, para transporte de uma vítima de acidente de carro e em janeiro/10, para ajudar uma mulher vítima de ataque cardíaco em Knotts Island. Ambas as pessoas sobreviveram.

Cerca de cinco anos atrás, o Departamento de Polícia começou a pensar em substituir seu envelhecido (1981) helicóptero Jet Ranger, disse o Deputy Chief James Cervera. Como havia um pesado preço em anexo na decisão, prolongou-se  tanto quanto possível a compra.

“É um custo pesado, então porque não fazê-lo multi funcional?” Cervera disse.

O departamento estava de olho em um novo helicóptero Bell 407 e comprou-o com uma combinação de dinheiro federal, confisco de droga, o dinheiro da cidade de reserva e o restante do salário não reclamados durante o ano fiscal de 2004 – 05 ano fiscal, por causa de cargos vagos. Eles construíram um novo hangar para acomodar as aeronaves e apresentou o helicóptero azul-marinho, em setembro de 2008.

A aeronave veio equipada com uma enorme quantidade de novos equipamentos, projetados para melhor combater o crime, ajudar a combater incêndios e transporte de pacientes lesionados. Durante todo o verão, seis pilotos de helicóptero da unidade treinaram exaustivamente a operação de resgate aeromédico ao lado de duas dúzias de paramédicos do Serviço Médico de Emergência.

Em agosto, 911 Victor Bravo e sua tripulação estavam prontos para voar.

E em outubro, o velho Jet Ranger vendido por 365.000 dólares, dinheiro que foi utilizado para a reconstituição dos fundos de reserva da cidade, foi utilizado para a compra do novo Bell 407.

“Temos um equipamento multi funcional que pode ser usado como uma plataforma de polícia, como um veículo de salvamento e também para combate a incêndio”, disse Cervera.

Além de equipamentos médicos,  está incluído também atualizados os sistemas de navegação e flutuadores de emergência para pouso na água. Há também um sistema infravermelho que localiza carros e pessoas no terreno, utilizando suas fontes de calor, bem como um guincho para içar e resgatar vítimas para a cabine, em vez de transportá-las externamente.

O farol de busca “Night Sun”, da antiga aeronave – um holofote com aproximadamente 30 milhões de velas – foi transferido para o novo Bell 407.

“As operações são infinitas com este helicóptero”, disse o Diretor Henry J. Alvarez, um piloto e instrutor de vôo. “Estávamos muito limitado com o outro helicóptero”

Iniciado em 1974, a unidade de aviação de Virgínia Beach é um dos dois existentes dentre os departamentos de polícia municipal no Estado, disse Cervera. O outro é no condado de Fairfax.

A unidade custou à cidade cerca de US $ 1,2 milhões ano fiscal passado, incluindo a formação, combustível e manutenção de seus dois helicópteros, o Bell 407 e 206. A unidade não é um luxo, dizem os policiais e paramédicos.

“É definitivamente o oposto de um luxo”, disse Cervera. “É uma ferramenta fantástica que temos para salvar vidas.”

Existem dois turnos de 10 horas cada dia para a Unidade, um durante o dia e uma à noite. Mas os pilotos não voam o turno inteiro. Às vezes, eles não voam nada, aguardam no hangar para pedidos de ajuda ou permanecem pousados para economizar combustível, evitar o mau tempo ou manutenção da aeronave.

Para o primeiro semestre de 2009, a unidade respondia aos pedidos de emergência, mas não conduzia patrulhas de rotina – um esforço para economizar combustível, que custou 57.754 dólares no último ano fiscal. Patrulhas de rotina foram retomadas em agosto, segundo relatório mensal da unidade.

A unidade voou uma média de 58,5 horas por mês no ano passado, ajudando a localizar pelo menos duas crianças perdidas, dois velejadores em perigo e 43 pessoas procuradas em assaltos, roubos ou envolvidas em outros crimes. Através de um acordo, o helicóptero também responde a algumas emergências em outras cidades.

A unidade voou um total de 702 horas e respondeu a 705 chamadas em 2009.

A capacidade de resgate aeromédico complementa aquela provida pela Nightgale, o serviço aeromóvel da região. A esperança é que o 911 Victor Bravo possa responder mais rapidamente às emergências, principalmente quando ele já estiver em patrulha, disse Ed Brazle, chefe de operações da divisão EMS.

Normalmente leva entre seis e 15 minutos para a aeronave da Nightingale chegar em um local de ocorrência em Virgínia Beach, disse Chris Cannon, enfermeira e gerente de voo para o programa. Levou 15 minutos e 31 minutos, respectivamente, para o helicóptero do Departamento de Polícia de chegar em seus dois resgates em outubro e janeiro, Brazle disse em um e-mail.

Nightingale ainda está fornecendo serviços regulares, especialmente quando a unidade policial está indisponível. Também realiza transporte aeromédico interhospitalar de pacientes, um serviço que a aeronave do Departamento de Polícia não oferece.

Um grupo de oito policiais compõe a Unidade áérea. A maioria tem pelo menos três anos de serviço e passou por uma série de testes. Para se tornar pilotos têm que voar, pelo menos, 350 horas e obter as respectivas licenças de aviação comercial e privada, um processo que leva cerca de um ano e meio.

O Departamento de Polícia treina seus pilotos, mas alguns têm experiência de vôo na Marinha ou em outras unidades de aviação policiais.

Em uma fria sexta-feira à noite, quatro oficiais e um voluntário estão reunidos no antigo hangar da Unidade em Leroy Road, a sudeste do Centro Municipal. O pequeno escritório é decorado com maquetes de aeronaves e uma figura de um porco alado pendurado no teto. É hora do turno da noite, que começa com um briefing.

A principal missão: patrulhar os céus e fornecer proteção para as unidades de terra, Officer Scott Abbott diz a tripulação. O secundário: EMS ajudar e contribuir com os esforços de busca e salvamento, se necessário.

Logo eles estão fora do heli-pad, marcado pelas luzes azuis e um sinal vermelho que diz: “Atenção: Cuidado com as pás do rotor”. Abbott circunda o Bell 407, antes de tomar o assento direito como piloto. Ele vai fazer o voo usando pedais, um joystick e uma alavanca que cuidar do controle, direção e velocidade da aeronave. Officer Vincent “Vinny” W. Jones assume seu assento esquerdo, onde ele vai trabalhar na rádio, se comunicar com o controle aéreo e operar outros equipamentos do helicóptero.

Na parte traseira repousa uma maca, um sistema de oxigênio e um saco de suprimentos médicos em caso de uma chamada de resgate aeromédico.

Após cerca de 50 cheques de pré vôo e cerca de oito minutos, o 911 Victor Bravo está no ar, pairando acima de manchas pretas de árvores com a cidade brilhante toda a volta.

Abbott e Jones logo estão voando acompanhando o calçadão da praia, a cerca de 500 pés acima da areia. Abbott gira em torno do centro de cidade e fiscaliza a rodovia New Town. Eles passam pela Ferrell Parkway, Universidade Regent e Trashmore Monte, observando os veículos e checando o motivo de um pouco de tráfego ao longo do caminho.

Exceto pelo ruído das pás da aeronave, tudo parece calmo em Virginia Beach.

“Às vezes eu acho que uma noite calma é boa para todos”, diz Abbott. Mas “ela pode ficar muito agitada”.

Às vezes, o helicóptero simplesmente dá paz de espírito aos patrulheiros e moradores da cidade, ele diz.

Eles retornam após cerca de uma hora, pronto para mudar os papéis. Para evitar a exaustão, os pilotos se revezam para voar. Cada helicóptero requer um piloto e um oficial de voo.

Mais tarde na noite, Jones toma assento como piloto, juntamente com o oficial Terry Buzzard. Pelas 10:40, entra um pedido de ajuda.

A polícia está à procura de cinco homens que abandonaram um veículo roubado e fugiram. Os patrulheiros já detiveram quatro, mas um ainda está à solta.

Jones circunda o bairro, enquanto Buzzard faz a varredura com o sistema de infravermelho, procurando um ponto de calor que poderia denunciar o culpado à distância, sem êxito, mas a unidade K-9 (canil) encontra o fugitivo um pouco mais tarde.

Até o final da noite, a equipe registrou cerca de cinco horas de vôo e respondeu a seis chamadas.

“Há horas e horas de tédio seguido por alguns minutos de adrenalina”, diz Jones.

“Eu acho que nós tivemos uma noite muito produtiva”, diz Abbott durante o debriefing. “Só de estar no ar, já estamos fazendo um trabalho policial pr0ativo.”


Reportagem : Kathy Adams

Fonte : Hamptonroads.com


Escreva um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

14 + 4 =

Comentários que contrariem a lei, a honra e a intimidade serão moderados.

Comentários

comentários