Enfermeira de voo não sobreviveu após cair de um helicóptero durante um resgate

kri
KRISTIN MCLAIN, DE 46 ANOS, AJUDAVA A IÇAR UMA MULHER QUANDO CAIU DE UM HELICÓPTERO DA STAR FLIGHT.

EUA – A enfermeira de voo Kristin McLain caiu de um helicóptero na noite do dia 27 de abril, enquanto resgatava uma mulher em Barton Creek Greenbelt.

Segundo as autoridades de serviços de emergência médica (EMS) do Condado de Austin-Travis (EUA), a tripulação composta por três membros de um helicóptero da STAR Flight respondia a chamados relacionados a uma mulher que havia caído de uma altura de aproximadamente quatro metros, em Greenbelt perto de Barton Hills Drive, próximo da Forrest Bend Drive, por volta de 8h30m da noite.

McLain, o piloto e o operador de guincho localizaram a mulher algumas milhas adentro da trilha em um pouco mais de uma hora. McLain, de 46 anos, ajudava a içar a mulher para bordo do helicóptero quando caiu do guincho, disseram as autoridades.

A morte de McLain, enfermeira registrada, foi pronunciada no local do acidente. As autoridades disseram que, geralmente, a pessoa sendo resgatada é enrolada em um saco e erguida pelo guincho, enquanto o socorrista fica preso a uma trava de segurança. As autoridades não confirmaram a que distância ela caiu, mas disseram que ela usava a sua trava de segurança quando as tripulações de emergência faziam o resgate.

kri2
A morte de McLain, enfermeira registrada, foi pronunciada no local do acidente. As autoridades não informaram a que distância ela caiu ou o que fez ela cair.

Uma investigação prévia feita pelo Conselho Nacional de Segurança em Transportes (NTSB) liberada uma semana após o acidente revelou que o guincho estava em “rotação constante” antes de McLain cair. O relatório consta que McLain, o piloto e o operador de guincho da STAR Flight responderam ao resgate e abaixaram McLain e o seu equipamento médico até o solo. Uma lousa foi usada depois e McLain certificou-se de a mulher estava segura e disse aos seus colegas que estavam prontas para serem içadas a bordo do helicóptero.

Depois que McLain e a paciente passaram pelas árvores, elas começaram a “girar constantemente” e o piloto passou a mover o helicóptero para frente para parar a rotação, de acordo com o relatório. O operador de guincho contou ao NTSB que a rotação tinha quase terminado quando ele notou que McLain estava em uma posição mais baixa do que o normal e então, ela caiu da linha do guincho.

Uma testemunha disse que pode ter visto McLain caindo. Ela viu uma luz bem embaixo do helicóptero, junto a uma corda longa.

“Comentamos, ‘Deve ser alguém que eles estão tirando do Greenbelt’, e de repente, a luz caiu no riacho ou nas casas. Acho que deve ter sido nas casas, porque foi bem além de onde está o riacho”, disse a testemunha Juanita Tijerina. “Falei para o meu marido, ‘Espero que não tenha sido uma pessoa’, porque odiaria ter visto isto. Estou com o coração partido. Fico pensando o quão jovem essa pessoa era, podia ter filhos. É uma vida.”

Tijerina disse que viu o incidente do seu quintal e viu as tripulações emitindo luzes e os helicópteros voando para frente e para trás.

A mulher resgatada foi transportada para o Centro Médico Universitário de Brackenridge e deve recuperar-se.

A Administração Federal de Aviação e o Conselho Nacional de Segurança em Transportes continuam investigando o incidente. A repartição do NTSB de Denver atuará como a principal agência na investigação.

Um porta-voz do NTSB  disse que durante a investigação a agência averigua o indivíduo, a aeronave e o ambiente. Eles entrevistarão os outros dois membros da tripulação a bordo do helicóptero da STAR Flight, assim como as testemunhas. Também examinarão as comunicações de controle de tráfego aéreo, o terreno e as condições climáticas. Os investigadores do NTSB  também conduzirão uma investigação sobre as últimas 72 horas de vida de McLain para ver se ela tinha alguma questão médica ou fadiga.

O NTSB disse que o relatório inicial é preliminar, sujeito a mudanças e pode conter erros. A investigação completa deve ser concluída em pelo menos um ano. Os investigadores ainda estão revendo as evidências coletadas em Austin, incluindo vídeos e gravações de áudio do helicóptero naquela noite.

O STAR Flight ficou fora de serviço por cerca de 10 dias depois do acidente. Eles retomaram as operações no dia 6 de maio.

Fonte: KVUE

Escreva um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

três × 5 =

Comentários que contrariem a lei, a honra e a intimidade serão moderados.

Comentários

comentários