- Anúncio -
Print Friendly, PDF & Email

EUA – Divulgado no dia 15 de outubro, um estudo do Departamento de Defesa dos Estados Unidos da América concluiu que o risco de contrair COVID-19 em um voo comercial lotado é baixo, ou seja, uma pessoa teria que ficar sentada ao lado de um passageiro infectado por pelo menos 54 horas para receber uma dose perigosa do vírus pelo ar.

A pesquisa foi liderada e financiada pelo Comando de Transporte dos EUA, que opera o Patriot Express, um programa que usa aviões comerciais para transportar militares e suas famílias. O comando queria determinar os riscos de fazer isso durante a pandemia.

O estudo foi realizado a bordo dos jatos Boeing 777 e 767. Os pesquisadores colocaram um manequim, com e sem máscara em diferentes lugares dos aviões e liberaram partículas fluorescentes projetadas para imitar o vírus. A pesquisa realizada em seis meses envolveu 300 testes durante 38 horas de voo e 45 horas de testes em solo.

Estudo aponta que risco de transmissão do COVID-19 em aviões é “praticamente inexistente” quando passageiros usam máscaras

Isso foi feito liberando partículas em toda a cabine por seção, cada uma com 42 sensores representando outros passageiros que poderiam entrar em contato com elas. Cada teste liberou 180 milhões de partículas, número de partículas que seriam produzidas por milhares de tosses.

Os pesquisadores concluíram que se os passageiros usarem máscaras cirúrgicas continuamente, muito pouco do vírus se espalhará, devido à forma como o ar circula e é filtrado nos aviões. Cerca de 99,99% das partículas foram filtradas para fora da cabine em 6 minutos devido à rápida circulação de ar, ventilação de ar descendente e os sistemas de filtragem da aeronave.

O vírus foi removido pelos sistemas de filtragem de ar do avião 15 vezes mais rápido do que em uma casa e cinco ou seis vezes mais rápido do que o recomendado para salas de cirurgia de hospitais e quartos de isolamento de pacientes.

A United Airlines, que doou o tempo de voo para o estudo com o manequim, foi menos cautelosa do que os funcionários do Departamento de Defesa, saudando a nova pesquisa como um “marco”.

“Suas chances de exposição ao COVID-19 em uma aeronave da United são quase inexistentes, mesmo que seu voo esteja lotado”, disse Toby Enqvist, diretor de atendimento ao cliente da companhia aérea, em um comunicado.

- Anúncio -

Escreva um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Comentários que contrariem a lei, a honra e a intimidade serão moderados.

Comentários

comentários