Heli-Expo 2014: HAI lança nova campanha de segurança “Land and LIVE”

- Anúncio -
Print Friendly, PDF & Email

A Helicopter Association International (HAI), a principal associação voltada para a indústria de helicópteros, lançou durante a Heli-Expo 2014 uma ambiciosa campanha de longo prazo para melhorar os índices de segurança na aviação de asa rotativas, com foco em lembrar aos pilotos em tirar partido das capacidades únicas de suas aeronaves, o que lhes permite pousar em praticamente qualquer lugar como parte de suas atividades diárias normais: “Land & LIVE” (Pouse e VIVA).

Land and Live

“Eu quero reintroduzir o conceito de pouso de precaução, uma decisão consciente do piloto em definir pousar sua aeronave antes que a situação torne-se uma situação de emergência”, disse o presidente HAI Matt Zuccaro. “Em outras palavras, o piloto precisa pousar enquanto ele ou ela ainda está no comando da aeronave e não apenas como um passageiro passeando”.

A campanha “Pouse e VIVA” nasceu da frustração em perceber que muitos acidentes de helicóptero são evitáveis, baseado em uma premissa simples: a de que, com exceção de uma falha mecânica catastrófica, realizar um pouso de precaução interrompe a maioria das cadeias de eventos dos acidentes. Mas a decisão tem que ser feita antes que uma situação tornou-se uma emergência, além de que muitos pilotos ou não consideram tal pouso como parte de seu check list de segurança ou esperam muito tempo até tomar a decisão de efetuar o pouso.

Um dos focos da campanha “Pouse e VIVA” destina-se aos operadores de helicópteros – as empresas que empregam os pilotos – e para os órgão públicos que podem ser acionados para verificar o motivo que um helicóptero pousou em um parque local ou em uma escola.

“Os pilotos têm de saber que não apenas que seus chefes estão comprometidos com a segurança, mas que eles vão apoiá-los caso o piloto tome uma decisão de fazer um pouso de precaução baseada em sua avaliação de segurança, em vez de completar a missão com condições abaixo dos mínimos de segurança”, disse o Zuccaro . “E nós também queremos oferecer algumas orientações para as autoridades dos órgãos públicos em solo, que irão se deparar com um pouso inesperado de um helicóptero”.

HAI desenvolveu um site (LandAndLive.rotor.org ), com maiores informações e diretrizes para os pilotos, operadores e socorristas. Ele inclui análises de seis acidentes em que um pouso de precaução quase certamente teria quebrado a cadeia de eventos do acidente, e informações sobre a escolha de um local adequado de pouso.

Para os operadores de helicóptero, o site inclui sugestões de normas sobre desembarques de precaução que podem ser adicionados a um manual de operações. Ainda contempla informações sobre os direitos e responsabilidades de um piloto em relação à segurança de voo, bem como a forma como um socorrista pode ajudar um piloto que acabou de realizar um pouso de precaução em local público. Além disso, os pilotos e os operadores serão capazes de “assumir o compromisso” de realizar pousos de precaução como parte do seus instrumentos de segurança e imprimir um certificado que possa ser mostrado aos seus passageiros e clientes.

Durante a Heli-Expo 2014, a HAI irá realizar uma apresentação para discutir o porquê os pousos de precaução são uma importante ferramenta de segurança e para dar exemplos reais de acidentes em que o pouso da aeronave quase certamente teria evitado o acidente.

Após a Heli-Expo, a HAI irá incluir a mensagem “Pouse e VIVA” como parte de seu programa de aumento de segurança realizado em conjunto com a FAA .

Durante o treinamento de pilotos, eles são ensinados reconhecer emergências incipientes e reagir em conformidade. No entanto, quando os pilotos são perguntados o porquê eles não efetuaram um pouso de precaução, muitos dizem que isso nunca fez parte do seu rol de tomada de decisão. Algumas evidências sugerem que há três razões básicas para os pilotos não considerarem o pouso de precaução como uma solução: o medo da FAA, o medo de ações punitivas por parte do empregador e medo de descrédito por parte dos passageiros e colegas pilotos.

Contudo, as evidências indicam que nenhum piloto que realizou um pouso de precaução legítimo veio a enfrentar algum tipo de ação punitiva. E, com mais e mais operadores adotando sistemas de gestão da segurança baseados em conceitos de “cultura justa”, que incentiva seus funcionários a compartilhar as preocupações de segurança, sem medo de represálias, cada vez menos os pilotos têm razões para temer uma ação punitiva. O última medo – medo de ser visto com descrédito pela sua decisão por passageiros e colegas pilotos – é o que, em parte, o programa “Pouse e VIVA” procura abordar . Os pilotos precisam ver que realizar um pouso de precaução é uma marca de profissionalismo e não de fraqueza.

“No mês passado, os membros da National Transportation Safety Board (NTSB) colocar a segurança de voo de helicóptero em sua lista de prioridades, e olhando para os atuais índices de acidentes, é claro que eles têm uma razão legítima para se concentrar na segurança de voo de helicóptero”, concluiu Zuccaro . “A HAI , também, tem a segurança como a nossa principal missão. A coisa boa é que, com pouso de precaução, temos uma ferramenta poderosa que pode quebrar a maioria das cadeias de eventos dos acidentes. Com uma ferramenta tão poderosa e uma aeronave única, que pode pousar em praticamente qualquer lugar, porquê um piloto não optaria por “Pouse e VIVA”?

Fonte: HAI, via Helihub.

- Anúncio -

Escreva um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Comentários que contrariem a lei, a honra e a intimidade serão moderados.

Comentários

comentários