Helicóptero para Tocantins

Trecho de entrevista do repórter Ruy Bucar com o Se­cre­tá­rio de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca do Es­ta­do Her­bert Bri­to Bar­ros (Her­bert Bu­ti):

O que mu­dou nos re­pas­ses fe­de­ra­is?

O go­ver­na­dor Mar­ce­lo Mi­ran­da tem ti­do uma pos­tu­ra de apro­xi­ma­ção em to­das as áre­as do go­ver­no fe­de­ral, com o pró­prio pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, que tem ren­di­do bons fru­tos pa­ra o To­can­tins. As por­tas es­tão aber­tas, prin­ci­pal­men­te do Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça. Es­ta­mos lá per­ma­nen­te­men­te dis­cu­tin­do, apre­sen­tan­do pro­je­tos, de­ba­ten­do com os se­to­res téc­ni­cos da se­cre­ta­ria Na­ci­o­nal de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca e de ou­tros se­to­res do Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça. A gen­te per­ce­be cla­ra­men­te a re­cep­ti­vi­da­de e a res­so­nân­cia des­ta boa re­la­ção que o go­ver­no do To­can­tins tem com o Go­ver­no Fe­de­ral. A pro­va mai­or dis­so es­tá nas ce­le­bra­ções des­ses con­vê­ni­os. Há al­gum tem­po atrás os re­cur­sos eram ín­fi­mos até por­que du­ran­te mui­tos e mui­tos anos se­gu­ran­ça pú­bli­ca foi tra­ta­da no pa­ís co­mo área pe­ri­fé­ri­ca do go­ver­no tan­to a ní­vel fe­de­ral, es­ta­du­al, e a ní­vel mu­ni­ci­pal. E o cla­mor da so­ci­e­da­de fez com que se­gu­ran­ça pú­bli­ca fos­se tra­ta­do na or­dem do dia co­mo pri­o­ri­da­de e uma das pre­o­cu­pa­ções do po­vo bra­si­lei­ro fez com que es­se olhar e es­se as­sun­to fos­se dis­cu­ti­do de for­ma mais abran­gen­te e o que a gen­te per­ce­be é que o pró­prio Go­ver­no Fe­de­ral atra­vés do Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça e, di­ga-se de pas­sa­gem, na ges­tão do Mi­nis­tro Tas­so Gen­ro e do se­cre­tá­rio Na­ci­o­nal Ri­car­do Ba­les­tre­ri com o trân­si­to mais li­vre nas áre­as eco­nô­mi­cas do go­ver­no fe­de­ral fi­ze­ram com que a im­plan­ta­ção de um Pro­gra­ma Na­ci­o­nal de Se­gu­ran­ça com Ci­da­da­nia, o PRO­NAS­CI des­se uma aber­tu­ra e uma apro­xi­ma­ção mai­or do Go­ver­no Fe­de­ral com os go­ver­nos es­ta­du­ais. Is­to tem tra­zi­do re­sul­ta­dos ex­cep­cio­nais, pa­ra se ter uma idéia há dois anos atrás os con­vê­ni­os eram da or­dem de três a qua­tro mi­lhões de re­ais, não pas­sa­va dis­so. Ago­ra nes­se ano de 2009 nós es­ta­mos exe­cu­tan­do con­vê­ni­os de 2008 na or­dem de 20 mi­lhões de re­ais, is­to é um sal­to enor­me.

On­de se­rão es­ses in­ves­ti­men­tos?

Es­ses re­cur­sos fo­ram in­ves­ti­dos na ca­pa­ci­ta­ção, na qua­li­fi­ca­ção, na for­ma­ção de po­li­ci­ais, na me­lho­ria das con­di­ções de tra­ba­lho com me­lho­res equi­pa­men­tos e aci­ma de tu­do com a ce­le­bra­ção de con­vê­ni­os ex­tre­ma­men­te im­por­tan­tes co­mo o da cri­a­ção do Ser­vi­ço Aé­reo Po­li­ci­al, em que te­mos um con­vê­nio já as­si­na­do em de­zem­bro de 2008 pa­ra a aqui­si­ção de um he­li­cóp­te­ro que se­rá a pri­mei­ra ae­ro­na­ve po­li­ci­al do To­can­tins, ad­qui­ri­da em par­ce­ria com o Go­ver­no Fe­de­ral. Es­se con­vê­nio te­ve que ser re­for­mu­la­do em fun­ção da con­tra­par­ti­da do Es­ta­do pe­la ele­va­ção do dó­lar e aca­bou so­fren­do um pe­que­no atra­so, mas nós já es­ta­mos com ele pra­ti­ca­men­te pron­to pa­ra ini­ci­ar­mos o pro­ces­so de aqui­si­ção e se Deus qui­ser, o mais bre­ve pos­sí­vel. Não dá pa­ra es­ti­pu­lar mês exa­to, mas nós es­ta­mos tra­ba­lhan­do mui­to, a nos­sa equi­pe téc­ni­ca tan­to aqui quan­to em Bra­sí­lia pa­ra que a gen­te te­nha o mais rá­pi­do pos­sí­vel a aqui­si­ção con­su­ma­da des­sa ae­ro­na­ve e que a gen­te te­nha es­se ser­vi­ço à dis­po­si­ção da po­pu­la­ção to­can­ti­nen­se, in­clu­si­ve com po­li­ci­ais tan­to ci­vis quan­to mi­li­ta­res já em fa­se de trei­na­men­to. O ser­vi­ço es­tá em fa­se de im­plan­ta­ção, in­fe­liz­men­te a ques­tão bu­ro­crá­ti­ca e a re­for­mu­la­ção do pro­je­to so­fre es­se pe­que­no atra­so.

Se­cre­tá­rio, co­mo vai atu­ar es­se no­vo ser­vi­ço?

Es­se he­li­cóp­te­ro é uma ae­ro­na­ve mo­der­na de mul­ti­mis­são que con­tem­pla to­das as ações po­li­ci­ais, bom­bei­ros, mi­li­ta­res e da po­lí­cia ci­vil. E o To­can­tins é um es­ta­do que tem uma par­ti­cu­la­ri­da­de, é o úni­co es­ta­do bra­si­lei­ro que faz di­vi­sa com seis ou­tros es­ta­dos, co­me­ça­mos com Go­i­ás, com a Ba­hia, o Pi­auí, o Ma­ra­nhão, o Pa­rá e o Ma­to­gros­so, nós es­ta­mos no co­ra­ção do Bra­sil. Is­so faz com que as nos­sas di­vi­sas com es­ses es­ta­dos fi­quem até cer­to pon­to vul­ne­rá­vel, nós te­mos exem­plo que a di­vi­sa com o Pa­rá é sem­pre al­vo de ação de ban­di­dos do Pa­rá e do Ma­ra­nhão que atra­ves­sam o rio Ara­gu­aia e vem pra­ti­car seus cri­mes aqui no To­can­tins. En­tão es­sa ae­ro­na­ve es­tan­do ba­se­a­da na Ca­pi­tal ela po­de se des­lo­car com fa­ci­li­da­de e ra­pi­dez pa­ra as re­gi­ões, mas é im­por­tan­te que se di­ga, es­sa ae­ro­na­ve é o pri­mei­ro ins­tru­men­to des­se ser­vi­ço aé­reo po­li­ci­al, com cer­te­za nós já es­ta­mos bus­can­do no­vos con­vê­ni­os pa­ra aqui­si­ção de ou­tras pa­ra que no fu­tu­ro a gen­te te­nha uma ba­se tam­bém em Ara­gu­aí­na e ou­tra em Gu­ru­pi, pa­ra que o Es­ta­do co­mo um to­do es­te­ja con­tem­pla­do, mas é ne­ces­sá­rio que a gen­te ini­cie, e es­se tra­ba­lho foi mui­to bem ini­ci­a­do com a es­tru­tu­ra já em fa­ze de ava­li­a­ção na Ca­sa Ci­vil do Go­ver­no e em bre­ve te­re­mos es­te ser­vi­ço fun­cio­nan­do a con­ten­to pa­ra a po­pu­la­ção to­can­ti­nen­se.


Fonte: Jornal Opção


Escreva um comentário

três × cinco =

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.
Ao enviar esse comentário você concorda com nossa Política de Privacidade.

Comentários

comentários