Mais da metade dos pilotos britânicos já dormiu no trabalho, diz estudo

- Anúncio -

Mais da metade dos pilotos de companhias aéreas britânicas já dormiu na cabine de comando ou alguma vez despertou e encontrou seu copiloto dormindo, segundo um estudo encomendado pela Associação de Pilotos Britânicos de Companhias Aéreas (British Airline Pilots’ Association).

reuters

Três quartos dos pilotos britânicos disseram que não confiam no órgão regulador europeu, cujo papel é manter e criar condições de segurança da aviação na Europa. A pesquisa de 500 pilotos comerciais realizada pela ComRes em nome da Associação de Pilotos Britânicos de Companhias Aéreas (BALPA) constatou que :

  • 56% dos pilotos admitem ter adormecido na cabine de voo e, ainda mais preocupante, que 1 em cada 3 (29%) disse que acordou e encontrou o outro piloto dormindo;
  • 43% disseram acreditar que suas habilidades foram comprometidas pelo menos uma vez por mês nos últimos seis meses por cansaço, com 84% dizendo que foi comprometida durante os últimos 6 meses;
  • 31% não acreditam que a sua companhia aérea tem uma cultura que se presta a relatar preocupações com cansaço. Apenas a metade (51%) disseram que acreditam que sua companhia aérea iria apoiá-los se eles se recusassem a voar por causa do cansaço.
  • Espontaneamente, 49% disseram que o cansaço do piloto era a maior ameaça à segurança de voo, três vezes mais do que qualquer outra ameaça.

O relatório aparece depois que um jornal britânico divulgou a foto de um comandante e seu copiloto dormindo ao mesmo tempo, com o piloto automático acionado, durante um voo de uma companhia aérea não identificada em 13 de agosto.

A autoridade da aviação civil (CAA) disse que um dos pilotos teria explicado que só havia dormido cinco horas nos dois dias anteriores.

O Sindicato dos pilotos argumentou que o incidente ocorreu com ” nenhuma surpresa “, e que eles tinham repetidamente alertado o CAA do risco de ambos os pilotos adormecerem em voo.

A Associação de Pilotos Britânicos de Companhias Aéreas (BALPA) alertou que os novos regulamentos de horas de voo para pilotos seria como diluir os altos padrões de segurança existentes no Reino Unido e introduzir regras mais fracas da UE , que carecem de apoio científico ou de provas.

Se as alterações forem aprovadas , isso significaria que os pilotos seriam autorizados a pousar um avião depois de estarem acordados por 22 horas ou mais, trabalhar um máximo de 110 horas em um período de duas semanas, em oposição ao atual limite de 95 horas, nos termos da regulamentação britânica. Além disso, o voo noturno pode ser aumentado de 10 horas para 11 horas.

“O cansaço já é um grande desafio para os pilotos. Eles estão profundamente preocupados com as novas regras não científicas da UE, pois vão reduzir os padrões do Reino Unido e levar ao aumento dos níveis de cansaço, que tem se mostrado um importante fator contribuinte para acidentes aéreos”, disse Jim McAuslan , secretário-geral da BALPA.

O parlamento europeu está estudando uma proposta para por limites às horas de trabalho contínuas dos pilotos e suas tripulações.

Fonte: G1, CNN e RT.

Para saber mais acesse: BALPA.


Nota: A fadiga é um problema que atinge toda a aviação, inclusive as tripulações da Aviação de Segurança Pública. Políticas devem ser fomentadas pelas organizações e pelas agências reguladoras. A minuta da RBAC 90 consta uma subparte que trata do assunto de gerenciamento da fadiga humana. Um bom tema para debate.


- Anúncio -

Escreva um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Comentários que contrariem a lei, a honra e a intimidade serão moderados.

Comentários

comentários