Operação aérea garante transplante de coração para catarinense

- Anúncio -
Print Friendly, PDF & Email

“Bom dia, comandante Djalma. A paciente que transplantei o coração ontem já está acordada da anestesia e tomou um leve café da manhã na UTI hoje, sentada no leito. Parabéns pelo seu esforço.” A mensagem enviada pelo médico Frederico Di Giovanni ontem era o aviso de missão cumprida. Há 22 anos na Polícia Civil, o delegado Djalma Alcântara foi o piloto do helicóptero que transportou um coração do Hospital São José, em Joinville, até o pátio de um posto de combustível na BR-101, próximo ao acesso da BR-470, em Piçarras.

Médicos com o órgão a ser transplantado, no Hospital São José, em Joinville. Foto: Saer / Divulgação

Nebulosidade excessiva impediu que a aeronave chegasse ao destino, o Hospital Santa Isabel, em Blumenau, onde Eva, 38 anos, aguardava pelo órgão na manhã da última quinta-feira. Quando transplantado, um coração pode ficar cerca de quatro horas entre o doador e o receptor e faltava em torno de 50 quilômetros até o Centro de Saúde. Ainda em Joinville, Alcântara previa não concluir o trajeto e acionou uma ambulância.

– Não tinha mais como avançar sem colocar em risco a tripulação e tivemos que pousar no posto, longe da ambulância. Começou uma corrida contra o tempo – conta Alcântara.

Ele procurou o gerente, Joilso Ribeiro, que se prontificou a levar em seu carro o órgão e os dois médicos até a unidade móvel de saúde. Enquanto preparavam o carro, Ribeiro comentou que a esposa de um funcionário estava aguardando o transplante de coração. Era Eva, mulher de Osni.

O carro encontrou a ambulância que levou a equipe até o hospital. No trajeto do posto de combustível até Florianópolis, o comandante foi se informando do restante da operação.

– Ficamos angustiados em saber se ia dar tudo certo. Eu pensava em me aposentar e aí vejo que ainda posso ser útil. Faz a gente refletir. Podia ser alguém da nossa família e a gente se compromete como se fosse. Espero que ela tenha saúde – disse, sem conseguir segurar as lágrimas.

Até as 20h05min de ontem, a paciente permanecia em isolamento e o hospital não havia se manifestado sobre o caso.

Infográfico caminho do coração.

 

Fonte: Diário Catarinense

- Anúncio -

3 COMENTÁRIOS

  1. Parabéns a Equipe do SAER/SC pelo trabalho e empenho. Ser útil e salvar vidas é muito gratificante para nos. Palmas para os Comandantes e para a tripulação.

  2. Parabéns Cmt. Djalma pelo belíssimo trabalho que vem realizando no SAER/SC!! Atitudes como essa enaltece cada vez mais nossa atividade aérea na Polícia Civil.

    Bons Voos!

Escreva um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Comentários que contrariem a lei, a honra e a intimidade serão moderados.

Comentários

comentários