- Anúncio -
Print Friendly, PDF & Email

Nós nunca mais queremos ouvir ‘Ele morreu fazendo o que amava’.

Nesta edição da minha coluna Helicopters, eu presenteio os meus fiéis leitores com um boa e velha tirada ao responder a esta frase: “Ele morreu fazendo o que amava.”Nós nunca mais queremos ouvir ‘Ele morreu fazendo o que amava’.

Ah, como eu odeio esta frase. “A desolada família de um alpinista, que despencou para sua morte, contou como ele morreu, ‘fazendo o que ele amava’.”

Aqui está outra: “A família de um canoísta, que morreu após ter o seu caiaque preso nos escombros de um forte riacho, disse ontem que ele morreu fazendo o que amava.”

Ou esta, um pouco mais perto da minha realidade: O piloto de um avião que caiu na semana passada, durante um voo médico de caridade, será despedido em um funeral. “A verdade é que, quando ele partiu, ele estava um tanto empolgado, fazendo o que amava e fazendo algo em que ele realmente acreditava.”

E, finalmente, o relato mais trágico de todos: “….[o piloto], um piloto de combate do Vietnã, que estava a alguns dias de se aposentar, estava no comando de um helicóptero médico com [duas] enfermeiras… quando ele se viu diante de más condições climáticas em apenas 48 quilômetros de voo e, tentou fazer o retorno, o helicóptero despencou em um campo. Isto ocorreu na segunda à noite. Ele tinha mais quatro turnos para fazer antes de se aposentar. Quando penso [nele], penso na sua família,” disse a enfermeira do voo. “Aquilo era a coisa mais importante para ele. Ele tinha orgulho do que fazia. Era bom nisso; [ele] morreu fazendo o que amava.”

E eu poderia continuar. No ano passado, eu li esta frase dezenas de vezes em uma ampla gama de colunas de jornais, blogues e artigos de revista – e, pelo menos uma vez ou outra, havia referência a um acidente de helicóptero.

O que eu penso é o seguinte: trata-se da mais pura tolice. Nenhuma pessoa sã e normal se arruma para o trabalho ou para o lazer pensando, “Hoje é um bom dia para morrer”. Não nos despedimos de nossas esposas, namoradas e filhos pensando que não vamos mais vê-los ao final do dia (ou do passeio).

Agora, tenho que admitir que, aqueles que estão vivos, os entes queridos, podem obter algum consolo ao acreditarem que seu marido/filho/filha morreu envolvido em uma atividade agradável. Mas nós, pilotos profissionais, precisamos estar atentos a esta abordagem fatalista do nosso trabalho. Precisamos trabalhar, todos os dias, para impedir que aqueles que nos conhecem dizem uma coisa dessas. Mas, como podemos fazer isto?

Dr. Tony Kern, respeitado autor e palestrante, escreveu bastante sobre o papel do piloto em segurança em seus prescientes livros, Blue Threat e The Global War on Error. Durante a última Conferência de Segurança & Qualidade da CHC em Vancouver, no Canadá, o Dr. Kern destacou o seu trabalho mais recente, o “Going Pro“, um tratado sobre o profissionalismo e as razões pelas quais as indústrias de aviação precisam abraçar o conceito de forma aberta e proativa.

Ele escreve sobre as várias fases de desenvolvimento profissional, desde a aprendizagem do ofício até a excelência  profissional, e fornece um roteiro plausível para o desenvolvimento pessoal e profissional. Na minha opinião, o que ele escreve faz muito sentido.

Eu escrevi, em colunas anteriores, sobre os passos para a segurança através do senso comum: a lista de verificação IMSAFE; o gerenciamento de fadiga, o vôo controlado contra o terreno (CFIT); a atitude “git-er-dun“. Alguns deles são boas dicas; outros, armadilhas. No entanto, todos eles devem estar em nossos pensamentos conscientes em todos os dias que voamos.

As auditorias de segurança e qualidade interna de empresas podem revelar as fraquezas sistêmicas da sua organização. Aprenda com as observações e torne-se um profissional melhor. Para operações com múltiplas tripulações, uma boa formação de gestão de recursos da tripulação é inestimável, principalmente se elas envolverem nossos clientes.

A consciência das ameaças e da gestão dos erros é um conceito mais recente que também merece consideração. Os estudos da companhia aérea Line Operations Safety Audits (LOSA) desenvolvidos pela Universidade do Texas (E.U.A.) mostraram que para as tripulações de companhias aéreas, há uma média de dois erros de tripulação e duas ameaças externas por segmento de voo.

Portanto, mesmo em alguns dos cockpits mais regulados e padronizados na aviação, ameaças e erros de piloto são comuns. Os estudos da LOSA apresentam um verdadeiro desafio para as operações com um único piloto – onde a maioria de nós passa os dias – mas, é lógico que nós estamos nos sujeitando a números semelhantes ou maiores de ameaças e erros.

Então, aqui vai o meu desafio para você: desafie uns aos outros, nesta temporada, aumentando os seus empenhos pessoais em relação aos desenvolvimentos profissionais mais avançados.

Assuma o Compromisso Profissional da Aviação defendido pelo Dr. Kern: Comprometo-me a permanecer vigilante, não apenas sobre o meu próprio desempenho, mas também sobre a identificação, a elaboração de relatórios e, se possível, a correção de todas as ameaças à segurança e à integridade da minha profissão escolhida com orgulho. E vamos trabalhar juntos para que todos nós voltemos para casa, para os braços daqueles que amamos, em vez de tê-los dizendo que morremos fazendo algo que amamos.

Walter Heneghan é vice-presidente de Segurança e Qualidade na Canadian Helicopters. Defensor apaixonado pela segurança da aviação e gestão de riscos, o piloto veterano apresenta sua coluna regular na revista Helicopters.

- Anúncio -

Escreva um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Comentários que contrariem a lei, a honra e a intimidade serão moderados.

Comentários

comentários