- Anúncio -

Ceará – Um dos compromissos assumidos pelo governador do Ceará, Camilo Santana, é a interiorização das forças de segurança para todas as regiões cearenses. A exemplo disso estão as expansões das bases da Coordenadoria Integrada de Operações Aéreas (CIOPAER) da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS). Além da participação nas ações policiais, os profissionais e as aeronaves da CIOPAER desempenham um papel fundamental, que é o de salvar vidas por meio dos transportes aeromédicos.

A Coordenadoria, que é composta por profissionais das Polícias Civil e Militar do Ceará, do Corpo de Bombeiros Militar do Ceará e do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), é a maior unidade de aviação estadual do Norte/Nordeste, sendo considerada a maior operadora de aeronaves biturbina e homologadas para voos por instrumentos entre os órgãos estaduais brasileiros. Ela também é considerada como a operadora com serviço aeromédico público mais bem executado do País. Com isso, o êxito vem em números.

Até outubro de 2019, foram quase 407 horas voadas pela CIOPAER durante as remoções aeromédicas no Estado. Se esses números forem convertidos em quilômetros, totalizam algo em torno de 81 mil km. Isso corresponde a ir e voltar, quase 20 vezes, do Oiapoque (Amapá) ao Chuí (Rio Grande do Sul). Também durante os dez meses deste ano, 163 pessoas foram transportadas nas aeronaves da Coordenadoria.

Em expansão no Ceará a Coordenadoria Integrada de Operações Aéreas (CIOPAER) já realizou 163 transportes aeromédicos em 2019. Foto: Divulgação

Das operações aeromédicas realizadas nas aeronaves da CIOPAER até outubro, 31% correspondem ao atendimento de crianças de até um ano de idade e de recém-nascidos, que são trazidos para Fortaleza ou são transferidos para outros hospitais de referência na área da saúde, situados no interior do Ceará. Ou seja, 50 bebês foram atendidos pelos homens e mulheres da Coordenadoria a bordo de helicópteros que atuam diuturnamente.

Casos reais

Atualmente, o Estado do Ceará possui quatro bases da CIOPAER, nas cidades de Fortaleza, Juazeiro do Norte, Quixadá e Sobral. Um exemplo de como a interiorização impacta positivamente na agilidade dos atendimentos aeromédicos ocorreu no último dia 15 de novembro, quando dois recém-nascidos foram transportados, simultaneamente, em regiões distintas do Ceará.

O primeiro acionamento ocorreu em Sobral, na Área Integrada de Segurança 14 (AIS 14) do Ceará. Um bebê de dez dias, com cardiopatia congênita, foi transportado pela aeronave Fênix 08 até Fortaleza. Já o segundo transporte ocorreu em Juazeiro do Norte (AIS 19), quando um recém-nascido de quatro dias, com Síndrome do Desconforto Respiratório (SDR), foi levado pela Fênix 07 até Hospital do Sertão Central, em Quixeramobim (AIS 20).

Em expansão no Ceará a Coordenadoria Integrada de Operações Aéreas (CIOPAER) já realizou 163 transportes aeromédicos em 2019. Foto: Divulgação

“Para a CIOPAER esses números são muito expressivos, tendo em vista que dizem respeito ao suporte direto a salvar pessoas, especialmente de pequenas vidas, como os 50 bebês transportados apenas neste ano. É muito gratificante sabermos que graças à nossa agilidade, os equipamentos a bordo das nossas aeronaves e a qualificação de nosso pessoal podemos fazer a diferença na vida de tantas pessoas”, destacou o relações públicas da CIOPAER, tenente-coronel Marcus Costa.

Contudo, os serviços da CIOPAER não se restringem apenas ao cidadão cearense. Com o crescimento do turismo esportivo e a quebra de um recorde histórico no Ceará, o Estado tem recebido um grande número de estrangeiros para a prática de kitesurfe. Por isso, as aeronaves da Coordenadoria também estão prontas para o atendimento desses atletas, caso seja registrada alguma ocorrência médica envolvendo-os, sendo necessária a remoção para unidades de saúde.

No dia 31 de outubro, a Fênix 09 foi utilizada para transportar um irlandês de 59 anos, que sofreu um acidente na Praia do Preá, em Cruz (AIS 17), quando praticava kitesurfe. Na ocasião, o homem se desequilibrou do equipamento e caiu no mar. Ele foi transferido pelo helicóptero até o Instituto Doutor José Frota (IJF), em Fortaleza.

Em expansão no Ceará a Coordenadoria Integrada de Operações Aéreas (CIOPAER) já realizou 163 transportes aeromédicos em 2019. Foto: Divulgação

Tecnologia embarcada

As aeronaves da Coordenadoria dispõem de aparelhos que apenas o exército dos Estados Unidos da América e o clube de automobilismo alemão Allgemeiner Deutscher Automobil-Club (ADAC) possuem.

Além disso, elas possuem a capacidade de configuração para UTI aérea e detêm modernos equipamentos, entre eles, incubadoras de transportes de recém-nascidos, ventilador pulmonar, bombas de infusão, monitor multiparamétrico, com a capacidade de fazer capnografia, ou seja, que é capaz de medir o nível de CO2 (Dióxido de Carbono), o que permite o médico analisar se o paciente está com baixo débito cardíaco (choque). Tudo isso devidamente acoplado aos suportes mecânicos e eletrônicos da aeronave, no intuito de oferecer uma assistência adequada aos transportados.

Aumento da frota

A CIOPAER possui, ao todo, nove helicópteros, sendo seis biturbina, e um avião modelo Cessna 210. E a frota vai aumentar. No dia 16 de setembro deste ano, o governador Camilo Santana se reuniu, na cidade de Donauwörth, na Alemanha, com a direção da multinacional Airbus, para tratar sobre a aquisição de mais dois helicópteros, o que permitirá a ampliação das bases para outros pontos do Ceará.

Em expansão no Ceará a Coordenadoria Integrada de Operações Aéreas (CIOPAER) já realizou 163 transportes aeromédicos em 2019. Foto: Divulgação.
- Anúncio -

Escreva um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Comentários que contrariem a lei, a honra e a intimidade serão moderados.

Comentários

comentários