- Anúncio -
Print Friendly, PDF & Email

Alemanha – Apesar dos consideráveis ​​desafios impostos pela pandemia de COVID-19, a operadora europeia de resgate aéreo DRF Luftrettung divulgou números expressivos de atendimentos realizados em 2020. Os helicópteros e aviões da operadora foram acionados 39.971 vezes, 98% do que foi realizado em 2019.

“Mesmo com ajustes nas escalas de serviço e home office da administração, as 35 bases de resgate do grupo na Alemanha, Áustria e Liechtenstein, bem como as operações de ambulância aérea mantiveram o atendimento mesmo sob condições tão difíceis”, disse Dr. Krystian Pracz, presidente do conselho da DRF Luftrettung.

Para enfrentar a pandemia, adquiriram onze cápsulas de isolamento “EpiShuttles” para uso imediato nas bases. O transporte de pacientes com doenças altamente infecciosas foi realizado nessas cápsulas rígidas. Isso protegeu a tripulação e os pacientes. Além disso, as equipes economizaram um tempo valioso, deixando o helicóptero disponível rapidamente, pois a desinfecção não era necessária.

A operadora colocou em serviço dois helicópteros adicionais no aeroporto de Karlsruhe / Baden-Baden e na Base de Bautzen, disponíveis principalmente para transportes aeromédicos. A DRF também inseriu em sua frota o helicóptero H145 com cinco pás. As vantagens da nova tecnologia incluem uma maior carga útil, mais conforto durante o voo e menos manutenções.

Mais uso de guincho elétrico

Como nos anos anteriores, em 2020, doenças cardiovasculares e acidentes, estavam entre os motivos mais comuns entre os atendimentos, porém aconteceram mudanças nos números, talvez em razão da pandemia.

Em abril de 2020, durante o primeiro Lockdown, os chamados das equipes de resgate aéreo para acidentes com carros reduziram cerca de 50% em relação a média de abril de 2018 a 2019, porém para acidentes com bicicleta houve um aumento de 75%.

Os guinchos de resgate também foram usados ​​com muito mais frequência: as tripulações das oito estações que possuem um guincho, realizaram 457 missões. (2019: 404 missões). A novidade de 2020 foi a realização de 686 missões relacionadas ao COVID-19, com emprego de aviões e helicópteros.

Apoio humanitário

Quando o sistema de saúde francês atingiu seu limite, as equipes de resgate aéreo assumiram o transporte de pacientes franceses para a Alemanha e vice-versa. Com essa ação humanitária, a operadora recebeu o Prémio Adenauer-De Gaulle.

O vírus continuará sendo um tópico importante em 2021, mas A DRF está confiante. “Dominamos bem os desafios do ano passado e provamos que, como organização, somos capazes de agir mesmo nas condições mais difíceis. Além disso, as vacinas já estão disponíveis, o que esperamos aliviar a situação, desde que todos continuemos a enfrentar este desafio com a disciplina e considerações necessárias. O certo é que continuaremos a nos desenvolver, mesmo em tempos difíceis”, disse o Dr. Krystian Pracz, presidente do conselho da DRF Luftrettung.

- Anúncio -

Escreva um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Comentários que contrariem a lei, a honra e a intimidade serão moderados.

Comentários

comentários