- Anúncio -
Print Friendly, PDF & Email

Brasil – A falta de medicamentos para a intubação de pacientes graves com COVID-19 poderá trazer efeitos ainda mais sérios. Além da escassez nos hospitais, há também baixos estoques para o atendimento pré-hospitalar, em todo Brasil.

Medicamentos utilizados para sedação, analgesia e bloqueadores neuromusculares, como midazolan, propofol, fentanil, atracúrio, cisatracúrio, brometo de vecuronio, cloreto de suxametônio, brometo de rocurônio, cetamina, estão com baixa disponibilidade em todo o Brasil, especialmente em hospitais.

Todos os dias equipes do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU 192) e dos Corpos de Bombeiros Militares são acionadas para realizar atendimentos de pessoas que sofreram algum tipo de trauma ou caso clínico. Além deles, operadores aeromédicos também relatam a falta desses medicamentos. Isso é grave, pois poderá inviabilizar também o transporte de pacientes em aeronaves.

Governo de Rondônia transferiu 120 pacientes com COVID-19 para tratamento em outros Estados.

Estudos apontam que a intervenção médica no local resulta em sobrevida da vítima e uma melhor recuperação. Da mesma forma, remover um paciente de um hospital com menos recursos e levá-lo para um hospital que possua atendimento especializado, apresenta resultados satisfatórios no tratamento e recuperação dessas pessoas.

Nesses atendimentos, vítimas de acidente vascular cerebral, parada cardiorrespiratória, afogamento, acidentes de trânsito, queimaduras, choques, quedas, a intubação pode ser necessária e sem esses medicamentos as equipes médicas terão sérios problemas em dar atendimento adequado ao paciente grave.

Médicos e enfermeiros que trabalham no atendimento pré-hospitalar e nas operações aeromédicas estão preocupados com essa situação. Todos estão em alerta para uma potencial crise de desabastecimento desses remédios, que vão muito além do combate à pandemia de COVID-19.

Segundo o Governo Federal, o Ministério da Saúde monitora semanalmente, desde setembro de 2020, a disponibilidade em todo território nacional e envia informações da indústria e de distribuidores para que estados possam realizar a requisição.

Neste final de semana (20 e 21), realizaram reuniões de avaliação dos números de cada estado e enumeram estratégias para evitar o desabastecimento, como:

  • Requisição dos estoques excedentes das indústrias (não comprometidos em contratos anteriores);
  • Aquisições internacionais (via Organização Pan-Americana da Saúde – OPAS);
  • Incremento da requisição de informações para harmonização de estoques e distribuição;
  • Pregões eletrônicos nacionais, possibilitando a adesão dos estados;

Para segunda (22) e terça-feira (23) estão previstas reuniões com representantes das indústrias de medicamentos. Enquanto isso, além da preocupação dos hospitais em dar tratamento aos pacientes internados com COVID-19 e outras enfermidades, equipes de atendimento pré-hospitalar e operadores aeromédicos também estão preocupados com essa escassez, pois poderá trazer sérios problemas para o atendimento das vítimas e transporte de pacientes.

Ônibus com 53 passageiros sofre acidente na BR-376 e mobiliza equipes de resgate e quatro helicópteros no Paraná.
- Anúncio -

Escreva um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Comentários que contrariem a lei, a honra e a intimidade serão moderados.

Comentários

comentários