Polícia de Virgínia/EUA reduz programa de controle de velocidade de veículos com auxílio de aeronaves

A Polícia do Estado da Virgínia, nos EUA,  teve que reduzir o programa de fiscalização de limite de velocidade com uso de aeronave, devido aos custos do programa e de outros fatores.


Desde 2008, 87 multas foram aplicadas por policiais patrulhando interestaduais em aviões Cessna 182. Policiais emitiram 5.117 multas entre 2000 e 2008, quando a Assembléia Geral aprovou o programa.

Corinne Geller, porta-voz da Polícia disse que a polícia teve que reduzir despesas por causa da redução do investimento Federal, dos cortes do Orçamento de Estado e de uma escassez de recursos humanos. O mau tempo forçou o cancelamento de algumas missões. “Nós fizemos cortes  significativos  por causa do alto custo associado à operação de uma aeronave”, disse ao The Daily Progress.

Uma hora no ar custa cerca de US$ 150 entre combustível e manutenção. As missões variam entre quatro horas e meia e seis horas. Eles exigem um piloto, um policial especialmente treinado para calcular a velocidade de um veículo e um policial no chão. Para se tornar habilitados, os policiais devem passar por sala de aula e treinamento de campo. A maior parte das 586 horas que os três aviões passaram no ar em 2011 eram para transportes administrativos, vigilância e treinamento de pilotos, disse ela.

Outros estados também têm reduzido programas de patrulha aérea. A Polícia Estado de Nova Iorque não tem aplicado multas durante missões aéreas desde 2005. A Patrulha Rodoviária da Califórnia ainda tem 15 aviões utilizados para capturar infratores, mas a porta-voz Fran Clader disse neste ano que o orçamento anual de operações aéreas do departamento diminuiu em um terço, de cerca de $ 12 milhões para US $ 8 milhões. As aeronaves da Polícia Rodoviária da Califórnia foram redirecionadas, gastando mais tempo em operações de apoio e perseguições.

Legisladores do Alabama introduziram o controle de velocidade aérea em 1990, e a Polícia Rodoviária do Alabama ainda mantém o programa em seu site. Entretanto, Kent Smith, que faz parte da Unidade de Aviação do estado, disse no início deste ano que o recurso não foi usado durante um bom tempo.

Fonte: The Washington Times.

Escreva um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

cinco × 1 =

Comentários que contrariem a lei, a honra e a intimidade serão moderados.

Comentários

comentários