- Anúncio -

BETTYNA GAU BENI
Consultora de RH da empresa
Evoluigi Treinamento & Desenvolvimento

Para a teoria da PNL (Programação Neurolinguística) cada pessoa dispõe de um canal para entender o mundo e para se relacionar com as pessoas, utilizando os cinco sentidos: audição, visão, tato, olfato e paladar.

Existem os auditivos, os visuais e os cinestésicos, que são os que percebem o mundo com mais intensidade pelo tato, olfato e paladar, sentidos que lidam diretamente com as sensações e emoções (talvez pela percepção se dar através de três dos cinco principais sentidos, tornando a experiência mais intensa).

Pois bem, as novas gerações, Y e Z, e possivelmente as próximas que virão (já se fala em geração T, de “touch”/toque), buscam incessantemente a qualidade de vida em suas relações pessoais e profissionais, se conectam o tempo todo, pessoal e virtualmente, são participativas e querem se sentir inseridas, buscam um propósito maior em tudo o que fazem, enfim, são cinestésicas.

Não por acaso as organizações, através de seus RHs, buscam inovar em estratégias para a atração e retenção de talentos, mas existem limitações legais para toda esta proposta de inovação.

Recentemente estive em um workshop para discussão de um tema recorrente em RH: a prevalência do negociado sobre o legislado. Isso quer dizer que os RHs tem limitações legais para atrair e reter os talentos, pois ao mesmo tempo que precisam inovar e buscar alternativas que auxiliem na criação deste propósito maior, esta conexão com a organização, ficam limitados pois nem sempre o que se negocia com o colaborador é o permitido pela legislação, criando riscos trabalhistas para as organizações.

Um exemplo prático é a necessidade de mobilidade. Em um cenário globalizado, é comum que os colaboradores viajem, trabalhem em casa (home office), realizem tarefas fora do horário comercial, ficando difícil o controle rigoroso da jornada, como impõe a legislação trabalhista.

Se a organização abrir mão da marcação do ponto para determinadas funções e cargos, ela assume o risco de ser multada em uma fiscalização, por exemplo. Só que, para o colaborador, essa flexibilidade é muitas vezes encarada não só como uma necessidade óbvia do negócio, mas como um benefício.

Ele gostaria muito de ter esta mobilidade formalizada para também ter a liberdade de organizar a sua agenda sem sentir culpa. Desta forma, ele pode negociar com a organização, e esta pode até aceitar, mas será efetivamente um risco, pois a organização não tem amparo legal para esta concessão.

E, se em algo tão simples já existe uma discussão desta complexidade, imaginem os riscos se houverem benefícios diferenciados e outras concessões que deveriam prevalecer por serem negociadas entre as partes, representando os interesses de ambos.

Como inovar mitigando riscos em um mundo feito por legisladores que não estudam e não entendem o comportamento destas novas gerações, e consequentemente não entendem a nova necessidade das organizações?

Como garantir que em futuro próximo os talentos ainda estarão interessados em trabalhar para estas organizações que, por mais que tentem, são impedidas de suprir as necessidades destes cinestésicos?

E, finalmente, nesse cenário, como garantir a longevidade e a continuidade do seu negócio ou de sua organização?

- Anúncio -

2 COMENTÁRIOS

  1. Realmente as relações legais de trabalho têm muito a evoluir, pois, quase que promovem o desemprego, mais do que protegem o trabalhador.
    Mas será que as Organizações vão ter que se adaptar ao funcionário? Será que chegaremos nesse cenário tão positivo, onde o Talento poderá escolher e até exigir mudanças na cultura organizacional, para satisfazer suas necessidades?
    Onde está o ponto de equilíbrio dessa relação? Ele existe?
    Qual a opinião da Dra. BETTYNA ?

    • Caro Baracho,
      Em primeiro lugar, agradeço os seus comentários e questionamento.
      A realidade é que as grandes empresas já estão buscando esta adaptação em sua cultura para satisfazer seus talentos humanos. Na minha opinião, a evolução só não é mais rápida no Brasil por conta das dificuldades legais impostas pelo nosso Governo, mas também é uma realidade que já está mudando a partir de medidas divulgadas recentemente, onde trabalhadores podem negociar algumas questões diretamente com seus empregadores.
      É claro que diversas empresas ainda estão longe deste processo e terão, portanto, uma jornada ainda mais longa, também devido à nossa cultura brasileira, mas este já é um caminho sem volta.
      O ponto de equilíbrio é sempre o bom senso e o estabelecimento da relação de confiança. Uma relação ganha-ganha é possível e esta será a única forma de manter um relacionamento de longo prazo entre as partes.

Escreva um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Comentários que contrariem a lei, a honra e a intimidade serão moderados.

Comentários

comentários