Polônia – Para os médicos e paramédicos que dedicam suas carreiras à saúde e ao cuidado de outras pessoas, os helicópteros podem fazer uma diferença vital, salvando a vida de um paciente. A frota de helicópteros Airbus do operador de resgate aeromédico da Polônia LPR (Lotnicze Pogotowie Ratunkowe) acumulou 100.000 horas de voo – um marco impressionante.

Konrad Matyja, um dos médicos da LPR, explica o tipo de missão que os membros da tripulação dos serviços médicos de emergência de helicóptero (HEMS) da LPR enfrentam regularmente.

Durante a alta temporada de COVID-19, a resposta de emergência de Varsóvia foi fortemente sobrecarregada. Isso causou um número crescente de missões HEMS na área da cidade. Certa manhã, fomos despachados para um acidente de moto que ocorreu em uma rua movimentada no centro da cidade. Sabíamos imediatamente que esta seria uma missão muito desafiadora – pousar, manter a área do helicóptero segura e gerenciar uma multidão que está tentando ajudar, mas pode na verdade ser um obstáculo. Chegamos ao nosso ponto de destino GPS e começamos a procurar uma cena de acidente. Vimos uma motocicleta acidentada e algumas pessoas ao redor deitadas de bruços.

Quanto mais baixo descíamos, mais obstáculos notávamos. Tanto o médico quanto o membro da tripulação do HEMS abriram suas portas e olharam cuidadosamente para baixo para garantir um pouso seguro. A área de pouso era limitada por trilhos de bonde, fios elétricos, um ponto de ônibus e um engarrafamento. Nós pairamos a cerca de 30-40 pés até que os bombeiros confirmaram que todos os pedestres estavam livres e não havia objetos soltos – a área estava segura. O piloto retomou a aproximação e em poucos segundos os dois skis tocaram o solo. O médico correu para o local, o HCM confirmou um procedimento rápido de desligamento do motor e esperou até que o rotor parasse.

O paciente estava inconsciente. Os ABCs (Via Aéreas, Respiração e Circulação) e o exame inicial de trauma sugeriram lesões internas graves e uma fratura no antebraço. O paciente foi colocado em uma prancha rígida, um monitor foi conectado e uma linha IV aberta. Para ganhar tempo, decidimos transportar o paciente de helicóptero. Após alguns procedimentos médicos essenciais, estávamos prontos para a decolagem.

O tripulante do helicóptero (HCM) saltou para fora para garantir a segurança, com a ajuda dos bombeiros, que estavam fazendo um ótimo trabalho, como de costume. A decolagem novamente exigiu toda a atenção de todos os tripulantes. As operações nas proximidades de vários obstáculos são possíveis devido ao tamanho do H135 e ao pequeno diâmetro do rotor.

O voo durou cerca de 10 minutos. Ao aterrissar notamos uma queda repentina na pressão arterial – sinal de choque hemorrágico. A equipe de trauma esperou a equipe do HEMS no pronto-socorro e o paciente, após uma breve preparação, foi transferido diretamente para a sala de cirurgia. O resultado da cirurgia foi bem sucedido.

O helicóptero de resgate mais uma vez desempenhou um papel importante na cadeia de sobrevivência.

Como diz o lema da nossa empresa – voamos para ajudar (“We fly to help”).

Resgate Aeromédico Polonês alcançou o marco impressionante de 100 mil horas de voo salvando vidas

Tradição da aviação aeromédica polonesa

Iniciada em 1955, foi a partir de 2000 que a LPR assumiu a aviação aeromédica polonesa, atendendo 38 milhões de cidadãos do país. Com uma equipe total de 750 pessoas, incluindo 116 pilotos, 138 médicos e 90 paramédicos, a LPR opera 27 helicópteros Airbus H135 em 21 bases permanentes (com uma base adicional em uso durante a temporada de verão) em toda a Polônia. A frota de aviões da LPR também é responsável para transporte de pacientes e transferências dentro e fora das fronteiras do país.

Nos últimos três anos, médicos, paramédicos e pilotos da LPR realizaram cerca de 35.000 missões primárias e secundárias, totalizando 24.498 horas de voo. Isso significa que a cada hora um helicóptero da LPR está salvando a vida de alguém na Polônia.

“Para responder a tantas missões onde a vida das pessoas está frequentemente em perigo, a confiabilidade do helicóptero é absolutamente primordial. É por isso que com sua disponibilidade de até 99%, custo-benefício e seu programa de manutenção simples, o H135 é o ajuste perfeito para operadores de HEMS como LPR”, diz Stefan Bestle, Gerente de Segmento Chave para HEMS na Airbus Helicopters.

Desde 2008, a Airbus Helicopters possui em Varsóvia um centro de serviço autorizado para mais de 70 helicópteros Airbus operados na Polônia, representando 40% do mercado civil e público.

Com 304 clientes em todo o mundo, hoje existem 1.357 H135 em serviço operando em 64 países, com mais de 6 milhões de horas de voo da frota total. O H135 e o H145 juntos tem participação de mercado de 32% e no mercado HEMS 53%.

Escreva um comentário

2 × 2 =

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.
Ao enviar esse comentário você concorda com nossa Política de Privacidade.

Comentários

comentários