Pronto-Socorro de BH ganhará heliponto

Hora de ouro (GOLDEN HOUR). Essa expressão, usada internacionalmente por unidades de socorro, define que o tempo tem que ser o menor possível para resgatar e levar a vítima a um ponto de atendimento. Significa, igualmente, que quanto menor o tempo de socorro, maior a chance de vida do paciente.

E é exatamente este ganho de velocidade no atendimento que o Corpo de Bombeiros de Belo Horizonte vai obter com a inauguração do heliponto no Hospital de Pronto-Socorro João XXIII (HPS), previsto para o primeiro semestre do ano que vem, de acordo com a Secretaria de Transportes e Obras Públicas (Setop).

Helicópteros do Corpo de Bombeiros terão acesso facilitado ao Hospital de Pronto-Socorro João XXIII
Helicópteros do Corpo de Bombeiros terão acesso facilitado ao Hospital de Pronto-Socorro João XXIII

Atualmente, os helicópteros de salvamento da corporação que resgatam feridos e acidentados pousam no heliponto do Departamento de Transportes da Polícia Civil, no Bairro Santa Efigênia. De lá, o paciente segue de ambulância, por um trajeto de 2,1 quilômetros, passando pelas ruas Tenente Anastácio Moura, Niquelina, Domingos Vieira, Ceará e chegam na Avenida Alfredo Balena, onde fica o João XXIII, considerado referência para atendimento emergencial em Minas Gerais. A velocidade desse percurso depende, logicamente, do fluxo de trânsito, o que pode acarretar a perda de minutos essenciais.

Além disso, de acordo com Capitão Fábio Dias, piloto do Batalhão de Operações Aéreas do Corpo de Bombeiros, o pouso no Departamento de Transporte da Polícia Civil “é bem restrito e complicado”, em função, entre outras coisas, do lugar onde está situado. Na opinião do oficial, a inauguração do heliponto no HPS seria um enorme ganho para a vítima socorrida, além de dispensar o transporte por terra. Mesma opinião do subchefe do Estado Maior da Corporação, Tenente Coronel Aurélio Sávio: “Chegar diretamente na unidade hospitalar representa muito”.

A Secretaria de Transporte e Obras Públicas informou que o projeto arquitetônico do heliponto (uma das obras da reforma que está sendo feita no HPS) ficou pronto semana passada e será enviado nos próximos dias para a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para homologação. “Uma vez aprovado pela Anac, o prazo de conclusão das obras é de quatro meses”, afirmou a assessoria da Setop.

O Batalhão de Operações Aéreas do Corpo de Bombeiros, situado no aeroporto da Pampulha, conta com um efetivo de 35 militares, sendo 10 pilotos. Possui um avião monomotor Cessna 210 Centurion e dois helicópteros franceses AS 350 B2 Esquilo. Com os nomes Arcanjo 01 e 03, são considerados as joias da corporação. “Temos os dois melhores helicópteros de salvamento do Brasil. O B2 é o melhor helicóptero de força pública do mundo ”, afirma com orgulho o Capitão Dias.

As duas máquinas usadas pela corporação, com valor aproximado de R$ 7 milhões cada uma, têm leitura digital de painéis, ar-condicionado e sistema de isolamento acústico. “Em um momento de estresse para o paciente, conforto também ajuda”, explica. Ele conta que mais 10 pilotos estão sendo treinados na corporação e que mais aeronaves chegarão brevemente para o Corpo de Bombeiros, mas não soube dizer exatamente quantas seriam. “Nossa demanda tem crescido e mais equipamentos são bem-vindos”, falou.


Reportagem :  Alfredo Durães (Estado de Minas) via Portal UAI


1 COMENTÁRIO

  1. A construção de um heliponto no Hospital de Pronto Socorro João XXIII realmente facilitará as operações de salvamento para o CBMMG e demais órgãos do sistema de defesa social. Parabéns aos responsáveis pelo projeto. Esta é uma antiga necessidade na aviaçao de defesa social mineira!

    Cap Farley – Operações Aéreas/CBMMG
    Bombeiros: “Voando para Salvar”

Escreva um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

5 × 5 =

Comentários que contrariem a lei, a honra e a intimidade serão moderados.

Comentários

comentários