Segurança da Rio+20 contará com 15 mil homens nas ruas e 29 helicópteros

A operação de segurança para a Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) começa hoje, 05 de junho, e contará com cerca de 15 mil homens. Serão 8 mil das Forças Armadas, 2,5 mil da Polícia Militar (PM), 1,4 mil da Polícia Federal (PF), 1,4 mil da Polícia Rodoviária Federal (PRF), mil agentes da Guarda Municipal (GM), 600 homens do Corpo de Bombeiros e um efetivo não divulgado de policiais civis.

As principais vias de acesso serão policiadas pelo Exército e pela Marinha, que poderão utilizar carros blindados, principalmente próximo a túneis e viadutos. O acompanhamento direto das comitivas ficará a cargo da PF e a PM terá a responsabilidade de garantir a segurança nas ruas internas em toda a área do evento.

Serão utilizados 29 helicópteros para monitorar os deslocamentos, três deles com câmeras conectadas ao vivo com o Centro de Coordenação de Operações de Segurança montado na sede do Comando Militar do Leste, que receberá imagens de cerca de 550 câmeras espalhadas hoje por toda a cidade.

Os detalhes foram divulgados no dia 28/05, durante coletiva de imprensa com as participações do ministro da Defesa, Celso Amorim, do general Adriano Pereira Júnior, comandante militar do Leste, e do coordenador do Comitê Nacional de Organização para a Rio+20, Laudemar Aguiar.

Amorim disse que algumas delegações receberão atenção especial da segurança. “Sempre se faz uma avaliação de risco. Algum país pode representar maior risco do que outro. Naturalmente, aqueles que representarem maior risco terão uma proteção maior, que além de batedores pode chegar a helicópteros nos deslocamentos”, declarou.

As manifestações e os protestos, de acordo com o ministro, serão tolerados e acompanhados. “Manifestação de opinião é algo que nós prezamos muito no regime democrático. Haverá segurança da maneira necessária para garantir que todos estejam se sentindo bem, ao mesmo tempo sem criar nenhum tipo de violência. Isso será tratado com tranquilidade”.

Todas as operações de segurança do evento serão coordenadas pelo comandante militar do Leste. O general Adriano destacou que a Rio+20 terá uma área de atuação quatro vezes maior que da Rio 92, quando as manifestações, acampamento da sociedade civil e reuniões de cúpula se restringiram ao Riocentro, na zona oeste da cidade, e ao Aterro do Flamengo, na zona sul. Além dos dois locais, desta vez haverá acampamentos no Sambódromo, no centro, e no Parque da Quinta da Boa Vista, em São Cristóvão, na zona norte. Também ocorrerão eventos paralelos no Parque dos Atletas, em Jacarepaguá, e no Forte de Copacabana.

Os Fuzileiros Navais vão patrulhar o perímetro urbano desde a Base Aérea do Galeão e o Aeroporto Internacional Galeão-Tom Jobim, na Ilha do Governador, até o Aeroporto Santos Dumont, no centro, onde começa a responsabilidade das tropas do Exército, que fará a segurança até a Barra da Tijuca, incluindo toda a orla da zona sul, região da maior parte dos hotéis que abrigarão as comitivas.

O general disse que não haverá presença de blindados nas áreas próximas a comunidades pobres, como ocorreu na Rio 92, quando carros de combate foram apontados para a Favela da Rocinha, então controlada pelo tráfico de drogas. “As comunidades não são fator de risco para os nossos deslocamentos. Não há previsão de ocupar nenhuma comunidade. Vamos interferir o menos possível na vida normal do Rio de Janeiro, que é uma cidade pacificada”, disse o oficial.

Fonte: Agência Brasil, via Aviação PRF.

5 COMENTÁRIOS

  1. Parabéns às FFAA, quando não ocupamos o nosso espaço, as FFAA ocuparão. É inconcebível que as FFAA ocupem a nossa missão constitucional e nos não fazemos nada. O calado concente, por isso apresento aqui minha indignação. E assim será na COPA e mas Olimpíadas.

    Parabéns à todos os omissos.

    TC Gonçalves
    BAVOp-PMDF

  2. Pena que as atuais autoridades, responsáveis pela aviação de estado, não possuem qualquer comprometimento com a importância e experiência de seu material humano.
    Com a extinção do CONAV fica difícil ter alguma voz como um grupo coeso e exigir um lugar de destaque para a aviação de segurança pública e de defesa civil nos próximos eventos.
    Quem não faz gol, leva.

    Maj Michel

  3. Os Grupamentos aereos das Políciais Estaduais Seja da Polícia Militar ou Polícia Civil devem se unir e comprar novas aeronaves , com farol de busca e Flir equipamentos de ultima geração ! Depois não adianta reclamar disputas de belezas só leva enfraquecer muitos estados ainda tem aeronaves velhas ou nem tem grupamentos , estamos muitos atrasados em Polícia e Bombeiro no serviço aereo , os estados devem se ajudar e investimento em aeronaves e formação de pilotos policiais .

Escreva um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

vinte − 2 =

Comentários que contrariem a lei, a honra e a intimidade serão moderados.

Comentários

comentários