Alemanha – A operadora aeromédica alemã FAI obteve a certificação suplementar de tipo (STC) para a instalação de cápsulas de isolamento rígidas EpiShuttle nas aeronaves Bombardier Challenger 600 series. O EpiShuttle é usado para transportar pacientes infectados com CODIV-19 ou outros patógenos em aeronaves e ambulâncias.

Desde que a FAI instalou o EpiShuttle no Bombardier Challenger 604 em um módulo Spectrum Aeromed MedBase com uma adaptação fixa para um módulo Spectrum Aeromed Cargo Stretcher, eles não consideram mais o EpiShuttle como um “equipamento solto” em comparação com outros equipamentos médicos móveis. Devido a isso, a FAI queria obter um STC para a aeronave CL-600-2B16 que incluísse o EpiShuttle.

Cápsulas de isolamento EpiShuttle são certificadas para uso em aeronaves Bombardier Challenger 600 series.

“Estamos felizes em ver que a FAI obteve o STC para a aeronave CL-600-2B16, uma excelente aeronave para a transferência de pacientes infectados com o EpiShuttle. Agradecemos todo o tempo e recursos que a brilhante equipe da FAI Air Ambulance investiu no processo de certificação. Isso mostra que o EpiShuttle atende aos requisitos de um STC”, disse Ellen Cathrine Andersen, CEO da EpiGuard, a empresa que fabrica o EpiShuttle.

Testes de certificação

Os testes foram realizados em coordenação com a EASA (Agência Europeia para a Segurança da Aviação) e uma empresa de desenvolvimento que definiu os requisitos para o STC e os procedimentos de teste necessários.

Nico Raab, gerente de operações médicas da FAI Air Ambulance, disse: “O EpiShuttle passou por testes abrangentes e desafiadores durante o processo de certificação. Todos os procedimentos de teste foram realizados sem qualquer reclamação e o STC foi emitido e concedido pela EASA. ”

Cápsulas de isolamento EpiShuttle são certificadas para uso em aeronaves Bombardier Challenger 600 series.

O EpiShuttle teve que passar por três testes diferentes durante o processo, teste de inflamabilidade, teste de descompressão rápida e evacuação do paciente.

O teste de inflamabilidade examinou a facilidade com que o material inflamava, com que rapidez eles queimavam e como reagem quando queimados. Os testes mostraram que não houve combustão, fundição ou formação de gotas nos corpos de teste.

Em segundo lugar, eles testaram o comportamento do EpiShuttle no caso de uma queda repentina de pressão, o chamado teste de descompressão rápida. Em caso de queda repentina de pressão na aeronave, deve-se garantir que todos os componentes possam suportar as forças que atuam para evitar a contaminação do meio ambiente.

O comportamento do EpiShuttle também foi testado e simulado em uma câmara de pressão em um laboratório de testes aprovado. O teste não mostrou danos ou restrições funcionais nos componentes do EpiShuttle nem nos acessórios.

O último teste que o dispositivo teve de ser submetido foi a evacuação do paciente. De acordo com as especificações, deveria ser possível evacuar um paciente em 90 segundos em uma emergência. Durante o teste, o paciente foi evacuado por funcionários da FAI em 56 segundos.

Depois de os funcionários e o dispositivo terem concluído todos os testes, a EASA concluiu que cumpria todos os requisitos e sem quaisquer reclamações.

A FAI Air Ambulance investiu um total de € 57.000,00 (US $ 65.000,00) no teste. “A certificação abre caminho para o STC no CL-600 em outros continentes e também mostra que é possível para outras empresas e aeronaves obter um STC”, acrescentou Andersen.

Cápsulas de isolamento EpiShuttle são certificadas para uso em aeronaves Bombardier Challenger 600 series.

Escreva um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

13 − nove =

Comentários que contrariem a lei, a honra e a intimidade serão moderados.
Ao enviar esse comentário você concorda com nossa Política de Privacidade.

Comentários

comentários