Cuidado com os TROLLS !

Trollagem significa engajar, pescar, seduzir ou molestar. Um troller da internet é alguém que quer pescar a confiança de alguém, e depois a manipular. Outro tipo de troll é a pessoa cujo comportamento tende sistematicamente a desestabilizar uma discussão, provocar e enfurecer as pessoas envolvidas nelas.

O termo surgiu na Usenet, derivado da expressão trolling for suckers (lançando a isca para os trouxas), identificado e atribuído ao(s) causador(es) das sistemáticas flamewars. Diante das provocações insistentes, as vítimas podem (ou não) perder a conduta civilizada e envolver-se em agressões pessoais.

Embora a maioria dos internautas sejam pessoas de boa fé, certamente existem trollers nas redondezas. Cada um de nós tem suas razões, história pessoal e motivações nestes esquemas. O mais importante é que cada individuo trás seus próprios conjuntos de truques e estratégias nas discussões. Podem ser inocentes e até completamente destrutíveis.

Nos primeiros anúncios sobre “vírus de computador” as primeiras impressões deixadas era sobre um ataque físico de micróbios se espalhando. Depois foi levado a sério com contramedidas logo criadas pois o problema era bem frequente. Os trollers caem nesta mesma categoria. Podem ser ridículos, mas são reais.

As medidas anti trollagem ainda estão na infância. Instituições legais estão trabalhando no assunto e este tipo de ofensa está sendo chamada de assédio cibernético (Cyber-Stalking).

OBJETIVOS

Quais estragos um troller pode conseguir? Pode ser bem variado:

– Nenhum;
– Causar irritações a algumas pessoas;
– Causar grandes briga com algumas pessoas;

É UM TROLLER?

O termo “troll” pode significar várias coisas, mas na essência, um troller é uma pessoal que tem como objetivo ter prazer as custas dos outros. Existem vários tipos de troller:

– A trollagem sem intenção pode ocorrer no caso de membro que não aceita ser questionado, ou que está errado, ou por orgulho. Pode ser uma informação postada incorretamente ou até erro de digitação ou até iniciar uma discussão em um tema controverso.
– Pessoas com distúrbios psicológicos, e buscam se sentir bem fazendo outros membros de um fórum se sentir mal. Nos textos sobre assédio moral citam como um dos motivos a necessidade de alimentar a auto-estima destruindo a auto-estima dos outros. Este é um tipo de “troller psíquico”, cuja táticas consistem em se enganar e a outras pessoas. São as mesmas pessoas que encontramos no dia a dia, mas nem sempre são fáceis de distinguir. Podem usar seu nome real na internet, e as vezes nem perceber que são troller pois pode ser subconsciente.
– Pessoas com mentalidade facistóide que se sentem melhores que as outras e para impor suas idéias usam qualquer meio (os fins justificam os meios).
– Pessoas com muito desejo de poder e como qualquer pessoa do tipo gosta de “mijar” em quem ele acha que está em posição inferior. Com pessoas que considera superior age como um “puxa-saco”.
– Pessoas que tem a intenção de ser alguém que não são (os laranjas). Este tipo de troller cria uma pessoa que parece ser real, mas eles sabem ser falsa.

O que motiva um troll a agir geralmente são: auto-afirmação, ideologia, fanatismo, inveja ou simplesmente ociosidade. Em entrevistas na Usenet, trolls famosos confessaram que buscavam apenas um pouco de atenção e combater o tédio do cotidiano. A maioria deles também portava alguma característica mal-resolvida de personalidade, como trauma, fracasso financeiro e amoroso e até diagnósticos psiquiátricos.

O JOGO DOS TROLLERS

Trollagem é com um jogo de xadrez cheio de estratégias e táticas. Existem um objetivo no jogo e este objetivo é vencer. Ao contrário do xadrez, existem vários meios de vencer para os trollers e podem incluir:

– ganhar crédito para idéias falsas ou de outras pessoas;
– compelir pessoas de boa fé, e/ou grupos particulares, a sairem da lista/fórum;
– dominar a lista com as mensagens que geram;
– ganhar reconhecimento ou prêmio por sua trollagem de outros trollers amigos;
– ser reprimidos por indivíduos, moderadores ou autoridades da internet;
– conquistar a confiança e apoio de membros de boa fé;
– distrair os membros da lista das discussões e objetivos das pessoas de boa fé;
– ganhar atenção que eles não podem obter na vida real.

Algumas vezes os troller atuam sozinhos, e as vezes em grupos, mas para todos é um jogo. Existem vários grupos e listas de e-mail que são dedicados para a trollagem, para troca de técnicas e para planejar campanhas coordenadas para invadir listas e fóruns. Os trollers não tem nenhuma preocupação quanto ao sentimento de outras pessoas.

São sempre manipuladores, inteligentes e abordam sua trollagem com o mesmo grau de planejamento e pesquisa dos que buscam ganhos financeiros, ou a mesma competitividade dos jogadores sérios de xadrez. Para os que estão familiarizados com a Analise Transacional (teoria psicológica dos jogos da vida real) existem vários paralelos com a atividade dos trollers: existem vários jogos, com vários tipos de ganhos e táticas diferentes.

TÁTICAS DOS TROLLERS

A conversa dos troller tem um padrão:

– são frases curtas;
– não aprofunda o assunto;
– não usam termos técnicos;
– são evasivos, não as cota mensagens, desprezando o post dos outros apagando tudo ao responder e não dão tréplicas;
– não respondem a perguntas;
– levam a discussão para picuinhas;
– não argumenta, não mostra provas (principalmente nas acusações);
– tentam mudar o tópico;
– tentam desviar do racional para o emocional;
– são geralmente incoerentes;
– são sedutores, sabem conquistar, para abrir a guarda do adversário. Com sempre atuam no emocional.

Existem várias táticas usadas pelos trollers:

1 – LOOP (giro – enrolar).

O loop consiste em tentar impor uma idéia simplesmente não entrando nas discussão sobre o tema. O troller repete a sua idéia sem dar atenção os questionamentos ou argumentos de outros membros. O loop parte do princípio que uma tese que foi questionada deve resultar em uma tréplica (teoria da dialética). A tréplica pode reiniciar outra discussão com
novas informações, questionar a réplica ou reconhecer o erro.

Existem dois tipos de loop. No primeiro o troler simplesmente repete seus argumentos (argumento A) e nunca faz a tréplica (tréplica A) a réplica (réplica A´):
– argumento A = replica A´
– argumento A = replica A´´
– argumento A = replica A´´´

As réplicas são simplesmente respondidas repetindo a tese inicial. Por exemplo: TESE – “o céu é vermelho”. Alguém pode questionar dizendo que o céu é azul e mostrar fontes. A tréplica poderia ser mostrar que estava falando de Marte ou do por do sol citando que não era bem o que parecia. Mas o troller simplesmente repete a tese inicial: “o céu é azul”. No final o objetivo é impor as idéias e desprezar as dos outros.

O outro tipo de loop é reiniciar a argumentação após esgotar todos os argumentos para defender uma tese:
– argumento A = replica A´
– argumento B = réplica B´
– argumento C = réplica C´
– argumento D = réplica D´
– argumento A = replica A´
– argumento B = réplica B´
– argumento C = réplica C´
– argumento D = réplica D´
– e assim por diante.

O padrão é não dar a tréplica a nenhum questionamento pois percebe que sua tese foi derrubada. Depois repete seus argumentos já derrubados sequencialmente.

A tática citada no wiki equivalente: Repetência de falácias: outro método usado que induz ao cansaço, aqui o troll repete seu conjunto de falácias até que leve seu interlocutor a exaustão, ganhando a discussão por abandono do oponente.

2 – Táticas de negação.

Como o Loop, o troller simplesmente despreza os argumentos/réplicas dos outros. Pode ser desde:

– não responder (atira e foge)
– não cotar as mensagens e continuar a discussão com outro assunto, mas ainda
– citando o tema (apaga a mensagem da vítima)
– negar abertamente que não foi feita argumentação ou réplica nenhuma

3 – Ataque em espelho

O troller acusa a vítima do que ele mesmo está fazendo. Por exemplo “você quer ganhar discussão”, “você não tem argumentos”, “você está fazendo trollagem” etc.

As táticas de lógica se baseiam no princípio que nada é perfeito ou absoluto e tem pontos fracos. Uma tática pode ter como objetivo atacar os pontos fracos do inimigo e por isso é considerado um meio ilegal de discussão.

4 – Exceção em regra.

Consiste em levar a discussão apenas para uma parte da tese da vítima, olhando só o lado negativo, ou só quando não funciona direito. Ex. um Xavante venceu um F-16 no exercício tal, então o Xavante é melhor (se pesquisar todos os combates ou com uma amostra maior o Xavante venceria uma minoria). O termo técnico vindo da teoria da mentira é chamar esta tática de mentira por supressão (verdade A, B e C e passou a ser A, B ). Outro nome seria “generalizar de caso único”.

5 – Transformar reação em ação.

O troller usa a reação da vítima como sendo a ação ou tenta inverter esta relação no raciocínio. Um exemplo é provocar a vítima e reiniciar uma discussão a partir da reação da vítima e aproveitar para se fazer de vítima. A parte inicial da questão é suprimida.

6 – Tirar do contexto.

Pegar uma frase de um texto que cita uma afirmação enquanto o texto quer é mostrar que está errado. “O caça X é o melhor de todos” (para se jogar no lixo – que foi o texto suprimido).

7 – Raciocínio parcial.

Pode ser visto em um raciocínio parcial só mostrando o lado bom de algo preferido ou só o lado ruim do que não gosta.

8 – Carteirada.

É o argumento de autoridade quando o interlocutor usa uma posição de vantagem para argumentar. Por exemplo, “trabalho na área e tenho conhecimentos práticos a respeito”. É trolagem quando usado para falsificar dados ou impor idéias falsas sendo mais difícil de detectar. Depende do histórico de quem usa. Um tipo de carteirada é mostrar ser bem entendido sobre um tema para usar para discutir outro assunto.

9 – Desqualificar.

É o contrario da carteirada. Sabendo que não tem como derrubar a tese da vítima o troller passa a agir de forma ofensiva, insultuosa e grosseira para rebaixar o adversário. Ao invés de atacar a idéia passa a atacar a pessoa. O objetivo final é desviar a atenção da discussão e passar para o nível emocional. Uma vítima irritada não raciocina direito. Funciona bem junto com uma carteirada primeiro.

10 – Rotular.

Uma forma de ofensa é rotular o raciocínio do adversário. Se ele defende uma certa aeronave ele é logo tachado de “flanquista”, “gripeiro”, “rafaleiro” etc. O argumento que não pode ser derrubado é anulado com a vítima tendo que se livrar do rótulo e passa para a defensiva.

11 – “Vou embora”.

Após um ataque de trollagem sem bom resultado o troller usa como tática final a sua saída tentando jogar seus simpatizantes contra a vítima da trollagem. Outra variação é ameaçar parar algum trabalho que favorece o fórum/lista.

12- “Colocar palavras na boca dos outros”.

O troller cita coisas que a vítima não disse. Como sempre está colocando a vítima na defensiva.

13 – “Já sabia”.

Depois de passado uma informação o troller cita que “já sabia”, mas o contexto mostra que não sabia. Depois de já informado fica fácil discutir. Uma variação é “tive uma ideia”, copiando idéias dos outros. A reação do fórum/lista pode ser não dar mais idéias.

14 – Falácias lógicas.

São dados verdadeiros mas sem acrescentar nada a discussão, mas que engessam por não dar margem a discussão. O objetivo é se encastelar em uma posição protegida para desviar a discussões. São frases como “não existe”, “não está em operação”, “não entrou em combate”, “voou primeiro” etc. São verdades inqüestionáveis, mas também não são conceitos técnicos de onde se pode tirar conclusões.

15 – Falsificar dados.

Pode ser visto frequentemente sendo fácil de detectar ao se conferir as informações, mas tem que tomar cuidado com comentaristas que colocam informações erradas (sem intenção), por descuido ou erro de digitação e memória. São usadas nas discussões tipo “super trunfo”.

16 – Táticas de comparação.

O princípio científico é que sempre que se compara duas coisas elas devem ter o máximo de similaridades. Alguma característica que falta ou muito diferente inviabiliza a comparação. Um exemplo é separar os esportes em peso, idade e sexo. No caso do fórum seria o mesmo que comparar caças leves com caças pesados. A capacidade é tão diferente que não é possível comparar com parcialidade. Um meio técnico é usar indicadores transformando os dados em números.

17 – Lei da maioria.

No caso de trollagem em grupo (estratégica), os troller tentam ganhar a discussão na base da votação. Em uma democracia existe limite (voto e veto). Se a pessoa está sendo prejudicada existe a possibilidade de apelar se estiver sendo injustiçada (veto ou no judiciário/moderação). Na lei da maioria o grupo maior despreza o direito dos outros.

18 – “Turma do deixa disso”.

Geralmente é sem intenção ao atacar o troler e a vítima e o troler acaba vencendo ao colocar a vítima no mesmo baixo nível. Pode ser feito pelo próprio troler após um ataque e faz um sermão colocando a vítima também como agressor, fazendo o sermão na terceira pessoa do plural (“nós”). No final rebaixa a vítima, que provavelmente não fez nada de errado, e consegue desviar o assunto.

19 – Reizinho.

É o cara que muda as leis que não interessam por outras que lhe interessam. Equivale as queimas de livros em algumas culturas e a “história oficial”.

20 – Sugestionamento.

Passa informações subjetivas, com ajuda de smiles para insinuar, fazendo pose de saber o que não sabe. Não diz nada, mas consegue irritar.

21 – Tecnicismo.

Uso de termos técnicos que poucos conhecem e força terminar a conversa.

22- Conversa de surdo.

Pode ser observada facilmente por quem está só observando a discussão e percebe que os dois estão discutindo temas totalmente diferentes sem perceber. É como se um não ouvisse o outro. O mesmo vale para quando nenhum dos dois conhece o assunto. Um acha que o outro não entende e blefa pensando que o outro vai cair na conversa. Quem entende do assunto é que percebe a tática.

23 – Declarar vitoria para terminar a discussão como vitorioso ou com a razão, sem continuar a discussão ou argumentar.

Uma variação é acusar a vítima de estar querendo vencer a discussão, também desviando a discussão e insinuando que está errado. As táticas a seguir são da dialética erística.

24 – Rajada de perguntas.

Fazer um monte de perguntas para a vitima ficar com dificuldade de pensar e responder. O objetivo é ocultar informações.

25 – Ampliação indevida

Levar a afirmação do adversário para além de seus limites naturais, interpretá-la do modo mais geral possível, tomá-la no sentido mais amplo possível e exagerá-la. Simplificando é exagerar a informação da vítima para depois tentar ridicularizar.

26 – Direitos e deveres.

Os dois sempre andam junto, e devem ser balanceados mas espertos separam. Geralmente se reclama de um (seu direito ou dever do outro) e não os dois juntos.

27 – Linha de tiro (veio de um livro de marketing)

O objetivo é criar uma situação onde se pode mandar, mas sem assumir responsabilidade. Vem do princípio da autoridade = poder + responsabilidade. Pode ser chamado de tirania enquanto a vítima é o bode expiatório (é responsável mas não manda nada – e não resolve nada). Em uma empresa significa fracasso ou pouco desempenho da empresa.

28 – “Não vai dar certo, não falei”.

O objetivo é apostar em um resultado negativo e ao mesmo tempo fazer de tudo para que fracasse. Tomem cuidado com os que dizem “não vai dar certo”.

29 – Tática de reclamador.

Diante de um problema você tem que escolher ser parte do problema ou da solução. Tem gente que dá idéias ótimas e outras simples tentando resolver o problema, tem os que dão idéias idiotas (ou como piadas). Tem os que ficam calados, não ajudando e nem atrapalhando. Tem os que atrapalham reclamando pouco, os que reclamam muito e o pior de todos é o que fica reclamando das idéias dos outros e nem deixa andar para frente.

NÍVEIS DE TROLLAGEM

Há trolls de todo tipo, desde o mais ignorante e rude que xinga e provoca floods, até o mais apto intelectualmente que discursa com o objetivo de desestabilizar o interlocutor e levá-lo a fúria para depois desqualificá-lo, matando seu argumento e abalando sua reputação num fórum  Para o troll, a reação a um comentário polêmico é considerada uma diversão, uma forma de extrair prazer na indignação das pessoas e observar seu desequilíbrio emocional e mental.

Nível 1 – “diversão” – É onde o troller está simplesmente querendo um ganho rápido. Um exemplo pode ser entrar em uma lista com um nome fictício, lançar um argumento, se retirar e depois contar para os amigos o que fez. Estes trollers são fáceis de detectar pois suas provocações são bem grosseiras.

Nível 2 – “tático” – Aqui os trollers levam o jogo mais a sério, criando uma pessoa realista para provocar alista, e usa técnicas e táticas reconhecíveis para ganhar a confiança e apoio de membros da lista. As provocações são sutis, e detectar este tipo de trollagem não é fácil, pois a pessoal é confiável, e troca de email privados podem levar outros membros a acreditar que é confiável e real.

Nível 3 – “estratégico”– É uma forma bem séria de jogo, com a produção de uma estratégia geral que pode levar meses e até anos para ser desenvolvida. Pode envolver várias pessoas agindo juntas para invadir a lista (táticas de “panelinha”). Uma vez infectada, pode ser impossível diferenciar os trollers dos membros de boa fé.

Nível 4 – “Dominação” – Aqui a estratégia dos trollers vai até a criação e moderação de listas de email de gente de boa fé. Nestas circunstancias, o ganho pode ser a dominação da vida emocional dos membros, sendo uma das formais mais avançadas de mentira a ser atingida.

Os jogos dos trollers não se restringem a internet. Suas táticas podem incluir contatar pessoas na vida real. Suas táticas incluem contatar pessoas por cartas e/ou telefone. As fronteiras entre a vida real e a internet deixam se ser claras.

TROLLAGEM DE DIVERSÃO (passa-tempo)

São características deste tipo de trollagem:

– Falta de compromisso com os valores e filosofia das listas;
– Atuam com pouca frequência, com picos de interação, ou novo membro com opinião forte em assuntos controversos uma mistura de mensagens amigáveis e estilo confrontador de interação;
– Uso de linguagem provocativa e generalizações sobre certos tópicos ou categorias de pessoas;
– Conhecimento pouco profundo do tópico;
– Falta de informações pessoais;
– Falta de opinião pessoal sobre o tópico;
– Falta de humor;
– Reiniciar o tópico que já foi terminado;
– Uso de linguagem que estimula o dialogo entre os tópicos que são controversos e irrita alguns membros;
– Uso de gíria para chamar a atenção;
– Respondem ao seus próprios textos se o grupo não responde;
– Inconsistência entre o estilo e natureza do post e outra informações (diz ser uma criança, mas escreve como adulto e vice- versa);
– Usam e-mail gratuitos como hotmail e yahoo. Podem ser qualquer um mas o e-mail é um bom indício.

As contramedidas aos trollers de diversão é simplesmente ignorar. Se você está convencido que são trollers, podem avisar ao moderador. Se outros membros respondem ao troller, você pode considerar algumas destas respostas como trolagem tática ou estratégica.

TROLLAGEM TÁTICA

Trollers táticos tomam mais cuidado e esforço na criação da sua pessoa. Estes trollers são membros antigos, e tem a confiança de outros membros. Usam as mesmas técnicas citadas além de outras:

– se engajam em diálogos fora da lista para ganhar a confiança de indivíduos efluentes da lista;
– são amigáveis e engraçados nos posts, para abrir a guarda de pessoas de boa fé;
– tem uma boa história pessoal parecendo bem real. Passam informações pessoais e intimas, principalmente fora da lista;
– ganham a confiança dando confiança. Por exemplo, dão dicas sobre algo confidencial na lista, mas revelam toda a historia fora da lista. Ao conquistar a confiança de alguém, eles criam um sentimento de confiança pelos indivíduos interessados;
– em emails fora da lista, ganham aliados e apoio para alguns de seus pontos de vista. Os emails fora da listas são sutilmente  manipulativos;

Eles estimulam membros de boa fé a argumentar um com outro. Qualquer ponto de vista, não importa o quanto ofensivo, pode ser visto como racional quando colocado em um certo contexto. Ao criar diferentes contextos para pessoas diferentes fora da lista, eles criam um conjunto através do qual podem iniciar um tópico na lista, de uma maneira inocente, e então observar dois membros da lista argumentar pois interpretam o tópico de maneiras diferentes.

Nos e-mail fora da lista, eles usam técnicas de “sedução rápida” (Speed-Seduction – pesquisar Ross Jeffries no google) para fazer pessoas terem um grande afeição por eles. Isto suprime qualquer suspeita que podem ter.

Usam gírias que conquistam a simpatia de outros membros, o que também suprime os sentimentos de suspeição. Exemplos: ser cego, órfão, rejeitado, ameaçado, aleijado etc.

Eles estudam para ter um conhecimento razoável do tópico da lista. Isto permite que tomam parte por um tempo como membros de boa fé.

Usam linguagem construída cuidadosamente para serem sutis. Esta linguagem é criada para identificar dois ou mais grupos separados, e encorajar membros da lista a identificar os traços negativos deste grupo. Isto cria discussão e discórdia entre os membros. Note que a sutileza é sempre o objetivo principal, e esta linguagem é difícil de detectar.

Eles não entram na discussão diretamente, mas facilitam uma discussão entre os membros da lista. Destacam os argumentos de um membro da lista, mas de jeito mais confrontador que a intenção original.

Podem criar uma pessoa fictícia apoiada por um site na internet, fotografia e dados pessoais. Podem sugerir encontros na vida real, não não vão ao encontro.

TROLLAGEM ESTRATÉGICA (ou panelinhas)

Os trollers estratégicos operam em grupos ao invés de sozinhos. Eles usam personalidades múltiplas, cada uma usando técnicas já descritas anteriormente. Mas também tem uma estratégia geral para conquistar membros de boa fé em argumentações, levando-os a sair da lista, ou para os trollers dominarem a lista.

Tática comuns deste nível de trollagem:

– Usam várias fases para a sua estratégia, com cada fase tendo um objetivo a atingir.

– a primeira fase geralmente envolver criar várias personalidades reconhecíveis como parte do grupo. São os trollers amigáveis. Podem ser amigáveis mas tem objetivos obscuros por trás. Esta fase pode durar meses e anos.

– a segunda fase envolve usar novas personalidades para iniciar discussões que causam discórdia, como nas táticas dos trollers táticos. Se nenhum membro responde a estes tópicos, outros trollers respondem para manter o debate ativo.

– Se membros da lista ainda não se juntarem ao debate, a terceira fase é passar para o uso de “trollers ofensivos” atacando suas próprias pessoas criadas pelos trollers. Como estes trollers conquistaram a confiança do grupo, outros membros da lista podem se unir a sua defesa, e são arrastados na argumentação.

– No caso de outros membros da lista não se entrarem na discussão, os “trolles defensivos” se unem e continuam a dar continuidade para os “trollers ofensivos”. Os “trolles defensivos” podem incitar membros de boa fé a se unir usando emails fora da lista.

– Outra fase pode usar trollers amigáveis iniciando retaliações publicamente, chamando o apoio de membros de boa fé.

– Quando as discussões saem do controle, jogam gasolina nas chamas tentando movimentar o máximo possível e causar o máximo de briga e confusão.

É fácil entrar em uma lista de futebol, dizer que “futebol é uma m$%¨&” e sair. Mas é preciso ser muito habilidoso e disciplinado para prolongar uma “flamewar”. É necessário talento, e números para para vencer este talento (frase tirada de um fórum de trolagem).

Alguns trolls simpatizantes por determinado assunto agem em grupo, muitas vezes numerosos. Dentro desse grupo alguns tem papel na argumentação, outros na ridicularização e outros apenas na concordância intimidando o adversário emocionalmente, quase sempre o levando a abandonar a discussão. É muito difícil combater trolls em grupo, sendo um Moderador necessário para banir todos em caso de persistência.

Em certos forums esses indivíduos podem ser forjados por uma única pessoa, respondendo por várias pessoas virtuais diferentes para embasar sua própria opinião. Esse recurso é conhecido como clone e sua eficácia depende da eficiência do Moderador de um forum que pode facilmente identificar clones por números IP.

Há casos de um Moderador se aliar a um grupo de trolls e atraírem vítimas a expor a sua opinião e discordância aos temas debatidos mas que logo em seguida são massacrados por todos. Isso gera o sentimento de satisfação à todos da comunidade. Esse fenômeno foi observado em blogs e comunidades do Orkut, onde os moderadores/autores atuam por meio da intolerância, preconceito e provocação (disfarçados de opinião) e junto formam um elo comunitário de auto-afirmação.

TROLLAGEM DE DOMINAÇÃO

Recentemente, se tornou claro que existem trollers agindo como moderadores. O objetivo pode ser:
– gratificação por dominar a vida emocional dos membros;
– gangland ware – onde um grupo cria uma lista para se defender de outros grupos de trollagem;
– área da internet dedicada a trollagem.


Fonte: Adaptado do Fórum Sistemas de Armas.


Links:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Troll_(internet)
http://www.jfo.org.uk/info/new/troll.htm

Outros links:
http://en.wikipedia.org/wiki/Troll_(Internet)
http://en.wikipedia.org/wiki/Hit-and-run_posting
http://en.wikipedia.org/wiki/Flamebait
http://en.wikipedia.org/wiki/Flaming_(Internet)
http://en.wikipedia.org/wiki/Lurker
http://en.wikipedia.org/wiki/Leech_(computing)

Escreva um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

17 − onze =

Comentários que contrariem a lei, a honra e a intimidade serão moderados.

Comentários

comentários