Helibras inaugura nova fábrica dos EC725 e blindagem será produzida no Brasil

- Anúncio -
Print Friendly, PDF & Email

A Helibras inaugurou oficialmente seu mais novo hangar, construído para abrigar a segunda linha de montagem de helicópteros brasileira, agora das aeronaves de grande porte EC725, modelos que serão fornecidos, em um contrato de 50 unidades, para as Forças Armadas brasileiras.

Durante a cerimônia, que teve a presença dos Ministros do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Fernando Pimentel, e da Defesa, Celso Amorim, dos governadores de Minas Gerais, Antonio Anastasia, e da Bahia, Jacques Wagner, dos comandantes das três Forças Armadas, além dos presidentes da Eurocopter, Lutz Bertling, e da Helibras, Eduardo Marson, a empresa oficializou o memorando de intenção de compra do helicóptero EC225, versão civil do EC725, para a Líder Taxi Aéreo, que operará as aeronaves no mercado offshore para atendimento à Petrobras. 

O governador Antonio Anastasia citou a evolução da Helibras como um importante passo para o desenvolvimento também da região. “A Helibras é uma indústria inovadora, robusta e que vai trazer um grande crescimento para Minas Gerais e para o Brasil. É por isso também que estamos investindo no projeto da construção de um aeroporto aqui em Itajubá”, disse.

O ministro Fernando Pimentel referiu-se aos planos de crescimento e desenvolvimento tecnológico da Helibras como “uma oportunidade para o desenvolvimento da indústria do pais”, ressaltando a importância do investimento da empresa para esse objetivo.

Para o ministro Celso Amorim, a inauguração é “um passo para um projeto que dará capacidade ao Brasil de defender suas riquezas e construir a grande potência que nosso país está fadado a ser”.

O novo hangar da Helibras já está em operação e, além dos helicópteros EC725 e EC225 abriga também a linha de montagem do helicóptero Esquilo, produzido no Brasil desde 1980, dois anos após a criação da empresa.

Durante a entrevista coletiva na inauguração da nova fábrica da Helibras, o presidente da Eurocopter Lutz Bertling reafirmou os planos de investir na subsidiária brasileira para a concepção de uma aeronave concebida e produzida no Brasil que atenda o mercado mundial da Eurocopter e faça parte da gama de aeronaves da empresa.

“A nova fábrica vai levar a Helibras a um novo nível de competência e o Brasil, como uma economia emergente, tem condições de ocupar mercados com os produtos da empresa, não apenas na America Latina, mas onde o país tem influência”, afirmou o executivo.

Referindo-se aos ministros da Defesa e da Indústria e Comércio, o presidente da Helibras Eduardo Marson ressaltou que “os principais colaboradores do governo estiveram presentes aqui e comprovaram que demos um importante passo para esse objetivo: já temos uma linha de montagem funcionando, e que é uma realidade”.

Marson destacou que a empresa está se especializando também no mercado de manutenção e serviços, para oferecer suporte para as novas aeronaves e para os mais de 600 helicópteros já entregues no Brasil desde a vinda da Helibras para o país. “Criamos recentemente uma vice-presidência que vai concentrar estes serviços em uma única plataforma, de maneira prática e rápida para o cliente, pois essa também é uma das nossas prioridades, e para isso estamos recuperando a fábrica original, onde produzíamos o Esquilo, exclusivamente para operar nessa área de suporte”, disse o executivo.

O mercado de offshore é outro segmento de crescente interesse da empresa. De acordo com o presidente da Eurocopter, o Brasil passa por um momento econômico mais favorável do que a Europa, com possibilidade de investimentos e crescimento, fator que atrai os olhares da controladora. “Nós estamos aqui por esses interesses, mas também porque temos um objetivo em comum, o de trazer um novo produto para o mercado com a expertise e a tecnologia brasileira”, afirmou.

Sobre esse mercado, Eduardo Marson lembrou que a Petrobrás já anunciou a sua necessidade de 100 aeronaves do porte do EC225, nos próximos dois anos, para operar na exploração do pré-sal. “A Helibras pretende se mobilizar para atender a essa demanda, produzindo com qualidade, no tempo e com o custo necessários”, disse o executivo.

O presidente Lutz Bertling também fez questão de esclarecer que a capacitação da fábrica mineira para produzir um novo helicóptero “não significa que a nova aeronave, prevista para meados da década de 2020, substituirá o famoso Esquilo, que é fabricado no Brasil há mais de 30 anos e é sucesso absoluto em todos os mercados do mundo”.

Blindagens do EC725 serão produzidas no Brasil

A Helibras está dando mais um passo importante para ampliar o conteúdo brasileiro dos helicópteros EC725, que serão produzidos em Itajubá (MG). Durante a inauguração da nova fábrica da empresa, o presidente da Helibras, Eduardo Marson, assinou um novo contrato com o presidente da Inbra Aerospace, Jairo Candido, dessa vez para fornecimento da blindagem a ser utilizada nestas aeronaves.

A Inbra já havia sido contratada para o fornecimento de capôs e carenagens do cone de cauda e estrutura intermediária em material composto para o EC725, tecnologia até então inexistente no país.

Após um rigoroso processo de seleção que durou seis meses, entre a apresentação de um convite ao mercado e do qual participaram empresas brasileiras e europeias, a Inbra foi a escolhida por já possuir a tecnologia exigida pela Helibras e por já ser uma fornecedora qualificada pelo consórcio com a Eurocopter.

“A proximidade com a Helibras por conta do desenvolvimento das blindagens disponíveis no modelo Esquilo e o domínio da tecnologia a ser aplicada nos modelos EC725 foram fundamentais para a escolha da Inbra, além do fato de todo o trabalho ser realizado no Brasil. Com isso, a Helibras poderá acompanhar de perto tanto o desenvolvimento como a integração com os demais sistemas a serem instalados nos helicópteros”, explica Eduardo Mauad, vice-presidente Executivo da Helibras, responsável pela cooperação industrial.

“A transferência de tecnologia da Eurocopter para a Inbra Aerospace representa a mudança de patamar na capacidade tecnológica, proporcionando conhecimento para avançarmos na produção de peças simples, como acabamentos internos, de nível 2 e 3, que já produzimos atualmente, para peças complexas que fazem parte da estrutura da aeronave, de nível 1. A parceria é uma oportunidade excepcional de evolução dentro do mercado aeroespacial”, segundo Jairo Candido, presidente da Inbra Aerospace.

Este novo contrato não será limitado ao desenvolvimento de soluções específicas para os helicópteros EC725. Como a Inbra já é fornecedora da Helibras em outros projetos, novas oportunidades de negócio envolvendo a tecnologia de blindagem serão estudadas pelas duas empresas.

Confira:

 

Fonte: Convergência Comunicação Estratégica.

Fotos: Felipe Christ/Helibras

- Anúncio -

Escreva um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Comentários que contrariem a lei, a honra e a intimidade serão moderados.

Comentários

comentários