Patrulhamento Aéreo da PMESP completa 25 anos de atividade

Toca o alarme…Ocorrência!

Um longo toque da campainha é o sinal. Quatro policiais vestidos com o cobiçado uniforme verde-oliva – dois deles equipados com armas de grosso calibre – correm em direção ao helicóptero Águia da Polícia Militar, estacionado em posição estratégica e preparado para decolar rumo a mais uma ocorrência policial. Dessa vez, uma perseguição em São Miguel Paulista, zona leste de São Paulo, deixou um policial baleado e os suspeitos estão em fuga. Dois minutos depois do sinal sonoro, os policiais já estão posicionados com armas em punho e colete à prova de balas, as hélices giram a todo vapor e a aeronave decola. Em cerca de 10 minutos, o Águia chegará ao local da ocorrência.

acionamentoEssa sequência de ações é algo corriqueiro no Grupamento de Radiopatrulha Aérea da Polícia Militar do Estado de São Paulo (GRPAe). Todo este trabalho logístico é coordenado por uma central de controle, responsável por selecionar as ocorrências que chegam por duas vias: pela Central de Operações Bombeiro Militares (COBOM) ou pela Central de Operações Policiais Militares (COPOM). Ao mesmo tempo, pelo menos cinco militares permanecem atentos às telas dos monitores por meio dos quais acompanham todas as ocorrências policiais registradas na capital. Esse sistema de trabalho impede que o cidadão tenha comunicação direta com o GRPAe, procedimento que evita trotes e decolagens desnecessárias, afinal, cada hora de vôo de um Águia custa R$ 1,2 mil para o Estado.

O Grupamento Aéreo

Em 2009, o GRPAe completou 25 anos de atividades. A frota, que começou com uma aeronave em 1984, agora já tem 16 helicópteros (15 HB-350 Esquilo e 1 Schweizer HU-30), seis aviões e 70 pilotos para operá-los. Os helicópteros estão espalhados no Estado, sendo que dez estão na capital e cinco nas bases do interior – localizadas em Campinas, Ribeirão Preto, Bauru, São José dos Campos e Praia Grande. E a frota vai aumentar: mais quatro helicópteros (AS350B2) já foram encomendados pelo Governo do Estado e serão enviados, até 2010, para as cidades de Piracicaba, Presidente Prudente, São José do Rio Preto e Sorocaba.

Base São Paulo (foto maior) e suas Bases de Campinas e São José dos Campos (acima) e Bauru, Praia Grande e Ribeirão Preto (abaixo)
Base São Paulo (foto maior) e suas Bases de Campinas e São José dos Campos (acima) e Bauru, Praia Grande e Ribeirão Preto (abaixo)

Como qualquer outro helicóptero, o modelo dos Águias é capaz de permanecer no ar por 3h30 com tanque cheio – o que corresponde a uma viagem de ida e volta com quatro pessoas a bordo entre a capital e Ribeirão Preto. Entretanto a frota da PM também possui recursos exclusivos como rádio comunicador com freqüência única (que não pode ser interceptada por outros aparelhos), GPS adaptado (um sistema de navegação que garante maior precisão que os convencionais) e câmeras super-potentes localizadas na parte de baixo da aeronave, capazes de identificar suspeitos e checar placas de carros com mais de 1 quilômetro de distância.

Além de possui equipamentos de última geração, os helicópteros da PM têm alguns “privilégios”. “Nossas aeronaves podem voar abaixo da altura mínima permitida e pousar em qualquer lugar. Claro que a responsabilidade é do comandante”, explica o capitão do Grupamento Aéreo, Wander Satil de Souza. Nos 25 anos de atividades, a frota passou metade do tempo no ar. “Os Águias já realizaram cerca de 120 mil missões e voaram quase 72 mil horas. Isso significa 12,5 anos no ar”, completa o comandante.

O Resgate

Se a sala de controle emite dois longos sinais sonoros, a missão é diferente: trata-se de um resgate. Ao lado do helicóptero que acabara de partir para dar suporte aéreo aos policiais que estão nas viaturas, uma aeronave está a postos para ajudar a salvar vidas. Desta vez, embarcam na aeronave piloto, co-piloto, médico e enfermeiro. Quanto menos gente, melhor porque, quase sempre, a aeronave é usada para transportar pessoas em estado grave até os hospitais.

Foto de
O resgate de um bebê de colo que estava tentando cruzar a cidade, em um ambulância que quebrou no caminho, num dia de caos em SP, para receber um transplante de orgão que tudo indicava ser compatível com a criança. Graças ao eficiente trabalho da Policia Militar, a criança chegou a tempo e foi transplantada com exito!   Foto de Jonne Roriz  – Agência Estado(publicação autorizada)

“Em 90% dos casos levamos as vítimas para o Hospital das Clínicas, que é capacitado para atender praticamente todas as ocorrências. Ainda temos hospitais de referência regionais como o do Mandaqui e o Santa Marcelina”, explica o capitão Satil. Essa rotina se repete diariamente, das 6h30 até o pôr-do-sol – enquanto há luz natural, existe possibilidade de pouso.

O Águia também realiza missões de combate a incêndios e apoio aos bombeiros do litoral do Estado. “Com o helicóptero, chamamos os banhistas para perto da areia e, em caso de afogamento, ajudamos a resgatá-los”, explica o capitão. Para completar, as aeronaves do GRPAe também fazem transporte de órgãos para transplantes urgentes.

Foto Ronne Roriz
Resgate de um banhista, vítima de afogamento, na Praia Grande em Ubatuba em 28/12/2008. Foto de Jonne Roriz – Agência Estado (publicação autorizada)

Como vestir o uniforme verde-oliva

brasaomacaPara fazer parte do seleto time de comandantes da Polícia Militar, é preciso se preparar para uma maratona de estudos. O primeiro passo é superar o concorrido vestibular da Fuvest e cursar os quatro anos da Academia do Barro Branco. Concluída esta fase, é necessário passar pelo menos três anos em bases operacionais da corporação – função administrativa não conta.

 Após os primeiros sete anos, é preciso ter sorte para participar de um concurso interno para pilotos – o que ocorre apenas quando os mais velhos se aposentam ou o Governo adquire novas aeronaves. Aprovado no exame, a última etapa dura cerca de cinco anos e é composta de cursos teóricos e práticos, exames médicos e psicológicos e muito treinamento. Se tudo correr conforme os planos, um membro da Polícia Militar leva 12 anos – após o ensino médio – para se tornar um comandante do Águia.

Fonte: Portal do Governo do Estado de São Paulo, em 07/10/09
Fotos: Acervo e Jonne Roriz, Agência Estado.

6 COMENTÁRIOS

  1. Parabéns vocês são verdadeiros herois!!!
    Sempre que posso assisto ao programa do Datena,
    so para ver se o Aguia está fazendo alguma operação de resgate, a energia positiva que vocês vão para salvar as vítimas, consegue atravesar as barreiras e chegar até nós, em nossas casas.
    A equipe toda merece todas honras
    Cléo Rosa
    (São Paulo)

  2. Obrigado pela oportunidade de poder escrever-vos.
    Eu gostaria de saber se o Sr,sabe responder se um piloto comercial de avião e policial militar,(SDPM) poderia vir a ser util no grupamento aéreo da PMESP.
    grato.

  3. Gostaria de parabeniza-los pelos serviços prestados a comunidade e dizer que vocês tem um dos melhores profissionais da aréa que é o cabo borges e dizer que esta equipe é de mais parabens a todos.

  4. Como cidadão Bauruesnse de coração apaixonado pela história da cidade sem limites, tive o privilégio de documentar o inicio da construção do local desde a terra plenagem onde esta localizado o Patrulhamento Aéreo de Bauru/SP,quando eu era o reporter Cinematográfico da TV USC da Universidade do Sagrado Coração mais de meio século da sua fundação em Bauru/SP.
    Registereia a e Documentei a inauguração do local onde está situado os Anjos do Ar como é conhecido os Patrulheiros Aéreos.
    Bauru a cidade sem limites e sem limites é o maravilhoso trabalho dos Polícias da Patrulha Aérea fazendo a segurança da cidade e região.
    Estive recentemente conversando do os militares do Comando Aéreo a simpátia e o carinho para com os visitentes impreciona quem visita este local, conhecendo de perto as Aeronaves e as Maquetes verdadeira obras de artes do profissionais que ali trabalham, eu como func/serv público a mais de 36 anos em uma antiga instituição que completou 79 anos de história em 13 de Abril de 21012 quero parabelizar os PATRULHEIROS DO AR pelo belo trabalho servindo a comunidade.
    Jaime Prado: Mtb: 038076 – Preservando a Hist’oria e Vivendo bauru

Escreva um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

20 − 9 =

Comentários que contrariem a lei, a honra e a intimidade serão moderados.

Comentários

comentários