- Anúncio -
Print Friendly, PDF & Email

Quênia – A AMREF Flying Doctors (AFD) é uma operadora que fornece serviços de ambulância aérea na África Oriental e Central e opera no Aeroporto Wilson em Nairóbi, capital do Quênia. Sua frota conta com nove aviões, sendo três próprios e seis sob contrato de arrendamento (Pilatus PC-12, Citation Bravo, Citation XLS, Citation Sovereign e KingAir B200), além de um helicóptero esquilo AS350.

Possui também ambulâncias terrestres de Suporte Avançado de Vida (ALS) e um Centro de Controle de Emergência e Operações, em regime 24/7. A operadora é credenciada internacionalmente desde 2007 pela EURAMI, com sede na Alemanha e foi duas vezes, em 2011 e 2014, ganhadora do prêmio de Empresa de Ambulância Aérea do Ano pela International Travel & Health Insurance Journal (ITIJ Awards).

A operadora aeromédica foi fundada em 1957 por três cirurgiões, Sir Michael Wood, Archibald McIndoe e Thomas Rees e, desde então, está envolvida em vários projetos de saúde na África Oriental. No ano de sua criação havia um médico para cada 30.000 pessoas na África Oriental. Na Grã-Bretanha era 1:1.000.

Naquela época as instalações médicas eram escassas, com terreno acidentado e estradas frequentemente intransitáveis, dificultando o acesso aos cuidados médicos para as pessoas em áreas rurais e remotas, assim, Archie, Tom e Michael viam no serviço aéreo como a única forma de levar cuidados de saúde a comunidades remotas.

Passado o tempo, os desafios com o ambiente operacional permanecem. Existem mais de 1.000 pistas de pouso na região da África Oriental. A maioria são aeródromos de grama ou superfície de terra facilmente afetados pelo vento e pelo clima. Normalmente não são controlados, sem iluminação e manutenção regular. As incursões de pessoas e animais nas pistas são comuns. A agitação política regional pode causar desafios de segurança durante as missões.

Mesmo assim, atualmente, AMREF Flying Doctors transporta, em média, 1.000 pacientes por ano, trabalhando em estreita colaboração com as comunidades locais, governos, empresas e mais de 100 seguradoras internacionais e empresas de assistência.

Além de todos os desafios, no momento, o maior deles está sendo lidar com a pandemia de COVID-19. Utilizando capsulas de isolamento, a operadora realizou mais de 20 transferências bem-sucedidas relacionadas ao novo coronavírus desde maio de 2020, mas em agosto precisou realizar evacuação aeromédica de dois pacientes. Uma mulher e seu filho de quatro anos, ambos com COVID-19, estavam nas Ilhas Comores, leste da África, e precisavam ser levados para Nairóbi, capital do Quênia.

O transporte de dois pacientes com COVID-19 

Sendo a primeira evacuação de dois pacientes, o desafio imediato foi a exigência de duas unidades de isolamento na mesma aeronave, além das três equipes médicas necessárias para o gerenciamento de transferências de COVID-19. Ainda assim precisavam considerar a possibilidade da criança não cooperar ao ser transferida em uma capsula de isolamento.

A aeronave escolhida para esta missão foi o Pilatus PC-12, que possui uma grande porta de carga adequada para o fácil embarque e desembarque de pacientes. No entanto, o clima na ilha no momento da missão representou um desafio extra, pois significava que havia limitações de tempo para a realização da missão.

Também levaram em consideração o tempo necessário em solo para estabilizar os pacientes, fixá-los nas unidades de isolamento e embarcá-los na aeronave. A equipe de operações teve que revisar o peso extra do equipamento médico, unidades de isolamento e o número de pessoal de saúde necessário para a missão. Planejamento médico adicional também foi feito em relação à sedação da criança, com várias opções identificadas.

Planejamento da missão

Com procedimentos relacionados ao trabalho remoto e com escalas rotativas para o pessoal da AFD, uma reunião Zoom foi realizada pela equipe programada para realizar a missão. Isso incluía a tripulação de voo e a equipe de saúde (duas enfermeiras de cuidados intensivos, incluindo uma pediatra e um anestesista experiente), bem como o diretor médico, coordenador aeromédico e o gerente de operações.

Embora o relatório médico que receberam mostrasse que a mulher estava razoavelmente estável, a equipe médica se preparou para o pior cenário para ambos os pacientes. A equipe garantiu que os cilindros extras de oxigênio fossem transportados e protegidos com segurança a bordo, os medicamentos fossem verificados duas vezes em consideração às dosagens pediátricas para a criança e os cronogramas fossem revisados, com alternativas disponíveis em caso de atrasos operacionais.

O voo aeromédico levaria cerca de 3,5 horas dos Comores a Nairóbi, com um tempo total de missão planejado de 10 horas. Em consideração às mudanças nas condições meteorológicas na ilha, um planejamento meticuloso era imperativo para garantir um tempo mínimo em solo com um retorno rápido.

Desafios no transporte

A partida matinal de Nairóbi ocorreu no horário programado; no entanto, esperava-se que o clima na ilha piorasse mais tarde naquele dia, exigindo uma rápida reviravolta dentro dos cronogramas operacionais estabelecidos para que a missão fosse realizada com sucesso em um período de serviço.

No pouso, a equipe constatou que os pacientes haviam chegado ao aeroporto e estavam prontos para o embarque. A tripulação de voo reabasteceu a aeronave e planejou o voo de retorno, enquanto a equipe médica atendia os pacientes, que se encontravam em condições estáveis.

Após breve instrução, a equipe médica passou a colocar os EPIs e, em seguida, instalar as unidades de isolamento. O desafio imediato da equipe médica passou a ser o cuidado com a criança, que se mostrava bastante ativa e ansiosa ao ver a mãe sendo colocada na unidade de isolamento.

Em segundo lugar, proteger a criança na segunda unidade de isolamento mostrou-se difícil mesmo com sedação, pois ela acordava de vez em quando e tentava sair da unidade chorando pela mãe. Além disso, as temperaturas locais na ilha estavam subindo, tornando muito desconfortável para ambos os pacientes nas unidades de isolamento.

No entanto, após colocar com sucesso os dois pacientes a bordo da aeronave, e após consulta com o diretor médico na base, a equipe decidiu retirar a criança da unidade de isolamento, fixando-a em uma cadeira com máscara perto da mãe.

A decisão para isso era que seria arriscado ter uma criança profundamente sedada em uma unidade de isolamento. Como resultado dessa consideração, a equipe médica teve que permanecer com o equipamento de proteção completo por toda a duração do voo.

Com mais de duas horas de solo planejadas, a equipe conseguiu decolar um pouco antes do fechamento do tempo na ilha. Felizmente, após duas horas de voo, a criança finalmente conseguiu se acalmar e dormir confortavelmente até que o avião chegasse a Nairóbi.

Hora de reflexão

Esta missão representou uma excelente oportunidade de aprendizado para a equipe em relação ao transporte de dois pacientes COVID-19 com duas unidades de isolamento a bordo.

Operacionalmente, a missão provou que o uso do Pilatus PC-12 com sua grande porta de carga favoreceu o transporte dos dois pacientes. A aeronave configurada com sistema de maca dupla, mais uma vez, provou ser muito versátil nos ambientes variados e desafiadores em que opera a AFD.

Dependendo da rota do voo, distância, locais de embarque e destino, um planejamento operacional meticuloso é necessário para levar em consideração as implicações de peso e balanceamento, além das restrições de tempo para realizar a missão. Um retorno rápido, se necessário, representaria um sério desafio para a equipe de saúde em termos de estabilizar o paciente, colocá-lo nas unidades de isolamento, embarcar e fixar as unidades na aeronave antes da decolagem.

Uma abordagem conservadora em relação ao planejamento de voos para pacientes com COVID-19 continua a ser a norma e não a exceção. O transporte de crianças sedadas em unidades de isolamento continuará sendo um desafio devido aos riscos envolvidos.

O risco primário é para o paciente em caso de sedação que requeira intervenção das vias aéreas enquanto estiver dentro do isolador, e o risco secundário de infecção para a equipe de saúde caso seja necessária uma intervenção de emergência que exija a violação da unidade de isolamento para acessar as vias aéreas do paciente.

O planejamento adequado e a consulta médica sênior são a pedra angular de evacuações aeromédicas seguras, especialmente nestes tempos turbulentos do surto do novo coronavírus. As considerações de segurança para todos os envolvidos devem sempre ter prioridade.

- Anúncio -

Escreva um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Comentários que contrariem a lei, a honra e a intimidade serão moderados.

Comentários

comentários