- Anúncio -

Alagoas – Agilidade no atendimento é essencial para salvar vidas e reduzir sequelas, principalmente entre as vítimas de acidentes de trânsito. E para qualificar a assistência pré-hospitalar, a Secretaria de Estado da Saúde (SESAU) mantém, com recursos próprios, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) Aeromédico que, este ano, já realizou 218 atendimentos, por meio de um helicóptero, que reduz o tempo-resposta.

O SAMU Aeromédico pode ser acionado em qualquer um dos 102 municípios de Alagoas por meio do telefone 192, principalmente para socorrer vítimas de acidentes automobilísticos nas rodovias que cortam o Estado. Ele também atua nas transferências inter-hospitalares, como a que ocorreu na quarta-feira (16), onde uma paciente atendida na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Delmiro Gouveia, no Sertão, foi transferida para o Hospital Regional Santa Rita, em Palmeira dos Índios, na região Agreste.

Segundo Adriano Belo, médico do SAMU Aeromédico, uma senhora de 55 anos estava em estado grave e, antes da transferência, precisou ser entubada, devido a problemas respiratórios. “A paciente apresentava um quadro de DPOC [Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica], além de ter sequelas em decorrência de um AVC [Acidente Vascular Cerebral]”, salientou.

Para o supervisor do Samu Alagoas, Marcos Ramalho, são nas ocorrências dos municípios mais distantes que o SAMU Aeromédico mostra a sua eficiência. “As principais ocorrências atendidas pelo SAMU precisam de um tempo resposta muito baixo. Precisamos chegar o mais rápido possível até aquele paciente e conseguimos atingir essa eficiência com sucesso, utilizando nossa aeronave. Em uma ocorrência que iria levar mais de quatro horas, somente para a ambulância chegar ao local da transferência, o helicóptero faz o mesmo deslocamento entre 70 e 75 minutos”, exaltou.

A tripulação Samu Aeromédico é composta por quatro integrantes, um médico e um enfermeiro, ambos socorristas do Samu Alagoas, além de um piloto da Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP) e o tripulante operacional, que é um integrante do Corpo de Bombeiros Militar de Alagoas (CBMAL).

De acordo como major Diego Mendonça, um dos pilotos do SAMU Aeromédico e comandante da Chefia Especial Aérea da Segurança Pública (CAESP), o helicóptero é um modelo Esquilo B3 e possui uma autonomia de voo de 2 horas e 40 minutos.

“A potência e a qualidade dessa aeronave nos garante voar com segurança por até 400 km. Dessa forma, conseguimos nos deslocar por todo o território alagoano e também podemos ir até estados vizinhos, caso haja a necessidade”, salientou o comandante.

Um dos principais destinos das ocorrências interestaduais é a cidade de Recife, em Pernambuco, especialmente para levar pacientes que precisam realizar transplantes de órgãos. Mas a equipe do SAMU Aeromédico já realizou transportes para Rio Grande do Norte e Sergipe.

- Anúncio -

Escreva um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Comentários que contrariem a lei, a honra e a intimidade serão moderados.

Comentários

comentários