Aluguel de helicópteros sob suspeita em Alagoas

A segurança no Estado de Alagoas deveria contar com o reforço de um helicóptero, sem custo de aluguel, desde 2008. Um projeto elaborado pelo então secretário de Defesa Social, Paulo Rubim, foi aprovado pelo Ministério da Justiça, que liberou R$ 6.025.773,60 para a compra.

Mas esse dinheiro nunca foi usado. Nestes mais de três anos, o governo investe no aluguel de aeronaves. A empresa que vendeu voos para Teotonio Vilela Filho (PSDB) na campanha de 2010 é a mesma que hoje aluga os três helicópteros a serviço do governo.

Uma licitação sob suspeita resultou na contratação da Fly-One, que em menos de dois anos já embolsou quase R$ 5 milhões. A empresa foi contratada também para consertar o único helicóptero de propriedade do Estado, que há cinco meses está parado em Aracaju (SE). Enquanto isso, a Fly-One, parceira de Vilela, teve contrato prorrogado até 2013.

O pregão eletrônico para registro de preços para a locação de helicópteros foi realizado no dia 25 de outubro de 2010, entre o primeiro e o segundo turnos da eleição, na qual Teotonio Vilela Filho foi reeleito.

No mês anterior, em setembro, já com atraso de um ano e meio, a licitação publicada em maio de 2010 para a compra do helicóptero com recursos do governo federal foi suspensa, “considerando os procedimentos adotados e atendendo ao interesse público”, conforme justificativa impressa no Diário Oficial.

A partir daí, começam a ser publicados os contratos entre o Estado e a Fly-One, que venceu a licitação concorrendo apenas com uma empresa, a Blue Air, de acordo com a disputa pública por meio de mensagens via internet, cujo teor está disponível no site licitacoes-e.com.br, vinculado ao Banco do Brasil.

O detalhe é que a Blue Air, de acordo com a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), tem como sócia-proprietária Rejane Melo Lima, atual secretária da Fly-One. Além disso, ainda segundo a Anac, em relatório de abril deste ano, a Blue Air está com autorização para operar vencida desde 2006. Considerando este dado, ela teria participado da licitação do governo alagoano sem certificação para voar.

A Gazeta telefonou para a Fly-One, em Aracaju, e pediu para falar com Rejane Melo Lima. Ela atendeu e confirmou ser a secretária da empresa, que tem como proprietário Fernando Carlos da Silva Telles, conhecido como Fernando Tico-Tico. A funcionária também confirmou a sociedade com a Blue Air, mas disse que não é mais sócia da empresa.

“O problema é que a Anac é morosa. Já era para eles terem atualizado os dados no site. Não sou mais sócia da empresa”, respondeu a secretária na entrevista.

Fonte: Gazeta de Alagoas / Reportagem: Carla Serqueira.

6 COMENTÁRIOS

  1. Prezados senhores

    lamentavelmente o site piloto policial publica uma noticia que com certeza nao acrecenta nada de bom para nossa classe, quando digo nossa classe a comunidade aerea policial. Gostaria de esclarecer alguns fatos da referida reportagem e deixar aqui o meu lamentavel protesto.

    Nossa empresa tem cerca de 10 anos trabalhando com diversas policias do Brasil, relato aos senhores que ja passei por isso antes e o tempo revelou que se tratava de uma questao politica ,quero aqui me expor para proteger as demais parceiras( empresas de helicopteros) que fornecem equipamentos para as demais unidades do Brasil.

    A relativa materia foi feita pelo jornal Gazeta de Alagoas , que e de propriedade da familia Collor opositora do atual governo de alagoas, empresa essa que alugou tambem helicopteros da flyone e blue Air.
    Nao possuo qualquer afinidade politica com partidos A ou B, mais sabendo que presto um servico publico tenho que conviver com mentiras maliciosas.

    mas vamos aos fatos:

    o Dinheiro da Senasp para aquisicao de aeronaves e uma prerrogatriva do estado para comprar helicopteros, NAO SOU SSP OU outra secretaria se o estado nao compra nao e meu problema.

    O pregao eletronico ficou disponivel 30 dias , somente duas empresas do NE no caso na epoca a Blue Air e a Flyone participaram. A sra Rejane trabalhava na Blue air desde a sua fundacao , por questoes de ordem pessoal ele se afastou e ficou desempregada. Como empresario e nao natural do nordeste , ofereci emprego a ela como minha secretaria por ser da regiao e conhecer todos os contratos e pessoas na regiao.

    Com relacao a Manutencao da referida aeronave , digo que sim. a aeronave esta a cerca de cinco meses em nossas instalacoes, porem a parte da FLYONE que era inspecao de 100 horas e 300 horas , ja foram realizadas a mais de 4 meses, o que ocorre e que a Pa do rotor principal foi detectada uma rachadura sendo mandada para a empresa CT Brasil reparadora de pas que somente entregou a pa no ultimo dia 27 de abril de 2012.
    Alem da pa pricipal, foi detectado um FOD no primeiro disco do compressor, sendo que esse servico tambem foi terceirizado com a empresa Dallas Airmotive que so entregou o compressor novo no dia 26 de Abril de 2012.

    nossa previsao e de dia 3 de maio a aeronave retornar ao servico.
    OBS: foi feito uma licitacao e nunhuma empresa se manisfestou em entrar na licitacao.
    Quero aqui me colocar a disposicao de todos e realmente dizer que isso e inerente a qualquer contrato ou pessoas, os Senhores sabem que contratos no Ne ou Norte do Pais sao mais caros pelas distancias e a falta atual de empresas e pessoas expecificamente deste setor.
    Para aqueles q nao conhecem a Historia do Sr.Fernando Tico -tico, voei desde 12 anos de idade como mascote , botinho , escoteiro etcc… na policia civil do rio.Hoje sou diretor de operacoes, piloto chefe , checador credenciado,INVH PLAH 502.
    tive o privilegio de voar com figuras reginais que contribuiram para a aviacao policial, como por exemplo Cmte malaguti , cmte Sergio freitas , desde 1982 os FH1100 da policia do rio. nossa empresa comecou com 1 helicoptero hoje temos 15 e estamos partindo para o pre-sal.
    Apesar de nao ser POLICIAL de profissao, Sou um dos maiores incentivadores e amigos da POLICIA em especial na Parte aerea .

    Ajudei e tive a Honra de voar com varios intregrantes inclusive essas pessoas sao hoje chefes de algumas unidades do Brasil.

    mesmo assim em caso de duvidas perguntem :

    Ao GTA-SE, ao GTA-MA , ao SEAr-Rj, A CGOA- RJ, ao GRAer – GO, Saer- GO, SAMU-AL, PM-AL e varias outras unidades que ajudei com meus servicos e prestimos.

    Independente de governos e pessoas sou um CIDADAO BRASILEIRO E FACO A MINHA PARTE.

    desculpe tomar o precioso tempo dos senhores

    Fernando Telles
    presidente da Flyone

    se mesmo assim permanecer qualquer duvida sobre minha pessaoo

    Nesses

    • Prezado Sr Fernando Telles, a matéria publicada no Jornal Gazeta de Alagoas fala sobre fatos relevantes à Aviação de Segurança Pública, e o site Piloto Policial também tem como objetivo deixar em alerta as pessoas que efetivamente atuam nessa área por todo o Brasil.

      Como plataforma Democrática, houve a oportuna e eficiente fala do Comandante André Madeiro sobre o assunto. Apontou fatos importantes para o esclarecimento dos fatos. Esse é o objetivo, pois, de certa forma, deu-se outro enfoque à matéria.

      O site Piloto Policial não deixará de publicar matérias relevantes à Aviação de Segurança Pública, seja ela de caráter positivo, seja ela de “aparente” caráter negativo. Estamos aqui para fazer melhor.

      O Sr, como presidente da empresa de Taxi-Aéreo Flyone, está convidado, se tiver interesse e disponibilidade, a escrever ou apresentar suas experiências na Aviação de Segurança Pública e que poderão ser compartilhadas com toda essa comunidade. Tenho certeza que será de muito interesse, afinal esse é o objetivo do Site Piloto Policial.

      Estamos à disposição.

      Att.

      Eduardo Beni
      Editor Piloto Policial

  2. Tendo em vista as noticias tendenciosas divulgadas no Jornal Gazeta de Alagoas venho por meio deste prestar esclarecimentos sobre a locação de helicópteros no Estado de Alagoas:

    O presente documento tem por objetivo esclarecer as noticias publicadas no Jornal Gazeta de Alagoas nos dias 22 e 28 de abril de 2012, o Gabinete Militar vem a esclarecer o seguinte:

    Quanto ao Helicóptero Bell Long Ranger III, de prefixo PP ELA, de propriedade do Governo do Estado de Alagoas, convém esclarecer o que segue:

    A aeronave apresentou vazamento nos servos comandos hidráulicos e nos instrumentos de giro horizonte e direcional, instrumentos que auxiliam os pilotos em condições de tempo adversas, bem como estava por fazer uma inspeção relativa as 600 horas de voo preconizadas pelo fabricante da aeronave, sem a qual a aeronave estaria impossibilitada de levantar voo. Após várias tentativas de obtenção de orçamentos para a referida manutenção, junto as empresas homologadas para o modelo de aeronave do Governo do Estado, apenas a empresa Flyone se dispôs a realizar o serviço. Iniciada a inspeção então contratada, foram constatados problemas no motor e em uma das pás do rotor do helicóptero. As únicas empresas qualificadas/ homologadas pelo fabricante do helicóptero aptas a realizar o serviço foram a CTB, quanto a pá do rotor principal, e Dallas, no que pertine a peça para o motor.

    Quanto a aquisição aeronaves citada no jornal, o qual menciona que o estado tem em caixa recursos oriundos do Ministério da Justiça para compra de um helicóptero e enquanto isso loca aeronaves (sugerindo que o Estado de Alagoas tem beneficiado a empresa FlyOne), a aquisição deste helicóptero é de responsabilidade única da Secretaria de Estado de Defesa Social, não do Gabinete Militar ou Civil como sugere a reportagem. A aeronave em questão é destinada ao combate ao crime e não pode e não deve ser utilizada para deslocamentos do Exmo Sr. Governador do Estado.

    A atual aeronave utilizada pelo Gabinete Militar para deslocamentos do Chefe do Poder Executivo, atualmente a espera de peças a serem enviadas pelas CTB e Dallas, possui mais de vinte anos de uso, conforme Certificado de Aeronavegabilidade o qual informa sua data de fabricação, sendo um modelo ultrapassado e com potencia limitada. Sua manutenção torna-se complicada, dada a sua idade, e pela escassez de empresas para fornecimento de peças e mão de obra. Por tal motivo foi solicitada a aquisição de uma nova aeronave que atenda as necessidades do Gabinete Militar em termos de potencia, facilidade de manutenção e autonomia de voo.

    Tendo em vista a necessidade iminente de operacionalizar uma aeronave para a Polícia Militar cuja finalidade é o reforço na segurança pública e outro helicóptero destinado as missões de socorro a população operado em conjunto pelo Corpo de Bombeiros e SAMU, bem como padronização processual visando a redução burocrática, a Agencia de Modernização da Gestão de Processos – AMGESP, no desempenho de suas atribuições legais, procedeu ao levantamento das demandas de utilização de helicópteros para todos os Órgãos Públicos Estaduais para a realização de Registro de Preços, com vistas a economia de recursos do Estado e agilidade nas eventuais contratações.

    Quanto ao noticiado sobre a regularidade da empresa Blue Air, nota-se que ela se encontrava com seu Certificado de Homologação de Empresa de Táxi Aéreo – CHETA válido, enquanto a impressa informou erroneamente que ela estava vencida desde 2006. Em verdade, a mencionada homologação foi emitida em 14 de julho de 2006 e, com isso, a empresa estava devidamente habilitada junto a ANAC em 2006. É de se ver que tal certificado é válido por 5 anos, o que quer dizer até 14 de julho de 2011. A licitação ocorreu em outubro de 2010, portanto ela se encontrava apta a participar da licitação.

    Ainda quanto ao Pregão Eletrônico realizado em 10 de outubro de 2010, o qual gerou a Ata de Registro de Preços numero nº 270/2010, na qual constam: os tipos de aeronaves serem fretadas, os órgãos a serem eventualmente atendidos por elas, os valores e condições comerciais da locação, e as obrigações das partes, convém ressaltar que o certame foi divulgado na internet, Diário Oficial do Estado, jornal de circulação regional e jornal de circulação nacional, e que tal forma (eletrônica) possibilitou a visualização, fiscalização e participação de todas as empresas do ramo que fossem interessadas em firmar contrato com o Estado de Alagoas. Ademais, quando um Pregão Eletrônico é realizado, não é possível saber quais são os concorrentes envolvidos na disputa (razão pela qual hoje é a modalidade e forma de licitação mais transparente que existe no pais), logo a AMGESP não tinha condições de saber quem eram os participantes da licitação até que o sistema eletrônico, ao fim da etapa de lances, identificasse o seu vencedor. Vê-se, daí, ser impossível a realização da suposta “montagem de licitação” alardeada irresponsavelmente pelo Jornal Gazeta de Alagoas.

    Por fim, após a licitação, que teve seu processo administrativo analisado e aprovado pela Procuradoria Geral do Estado e cópia enviada ao Tribunal de Contas do Estado, os valores das horas de voo encontravam-se abaixo dos praticados pelo mercado (ou seja, não houve sobrepreço) e o valor da hora de voo da aeronave que atende ao Governador do Estado foi significativamente reduzido em relação ao contrato anterior.

    Observações relevantes:
    1. Dada a disputa entre as empresas Flyone e Blue Air durante a licitação para o helicóptero do tipo executivo de porte médio (esquilo, Bell 407, Long Ranger), o Estado se beneficiou de uma economia de R$ 497,53 no valor da hora de voo, ou seja 11,34%, ou em números absolutos, R$ 69.654,20 no valor total do contrato. Se levarmos em conta os valores praticados no mercado a economia seria de R$ 295.400,00.
    2. O valor do Aeromédico permaneceu o mesmo em relação ao contrato anterior, porém em relação aos valores de mercado existe uma economia real de R$ 1.000,00 no valor da hora de voo, o que iria impactar no valor final do contrato um total de R$ 468.000,00 a mais, neste caso o Estado saiu favorecido;
    3. Para o helicóptero tipo policial foi licitado o equivalente a um Robinson 44, com motor convencional, e a empresa atualmente disponibiliza um helicóptero superior, modelo Bell Jet Ranger, com maior capacidade de passageiros e carga e com motor a turbina. O valor de mercado atual da hora de voo da aeronave hoje utilizada é de R$ 3.500,00, o que representa uma economia para o estado de R$ 574.200,00 no valor do contrato para esse tipo de aeronave.
    4. Se levarmos em consideração os valores atuais dos contratos de locação, em virtude dos procedimentos realizados pelo Gabinete Militar, houve uma economia total de R$ 1.337.600,00 nos valores totais em todos os contratos de locação de helicópteros em relação aos valores praticados atualmente pelo mercado.

    Atenciosamente,

    André Alessandro Madeiro de Oliveira – Ten Cel BM
    Piloto Comercial de Helicóptero

  3. Caro Beni,

    Agradeço seu convite e gostaria de dizer que não me referia ao seu site, e sim à Gazeta de Alagoas, que fez denúncias sem checar a veracidade das informaçãoes.
    O que me deixa chateado é que a imagem de uma empresa que leva anos para ser construída à base de muito trabalho honesto pode ser destruída em minutos pela divulgação desse tipo de comentários.

    De qualquer forma estaremos sempre dispostos à esclarecer quaisquer dúvidas para que a verdade, sempre prevaleça.

    Atenciosamente

    Cmte Fernando Telles

  4. Não tenho elementos para falar sobre a matéria, pois sou de oura corporação, mas sobre o relacionamento da Flyone com o GTA/SE posso afirmar que durante todo o tempo em que eles vêm prestando seus serviços ao nosso grupamento, conseguiu demonstrar alto grau de profissionalismo e imensa presteza no sentido de atender e até superar nossas expectativas, frequentemente indo além do que o contrato lhe obriga.

    Fernando de Argollo Nobre Filho – Cap BM.

  5. A IMPRENSA, QUASE SEMPRE SENSACIONALISTA, APRESENTA SEUS ARTIGOS COM A VISÃO DELA, MISTURANDO O GABINETE MILITAR COM A SECRETARIA DE DEFESA SOCIAL E PORTANTO MISTURANDO AS ATRIBUIÇÕES E MISSÕES.
    A DIVULGAÇÃO NO SITE DO PILOTO POLICIAL, FÓRUM DE ESPECIALISTAS EM AVIAÇÃO, PERMITE A LIVRE MANIFESTAÇÃO PARA QUE SEJAM PRESTADOS OS ESCLARECIMENTOS SOBRE O QUE REALMENTE OCORREU.
    ASSIM BEM O FEZ O CEL. ANDRÉ MADEIRO.

    EM ARTIGO ANTERIOR SOBRE A LOCAÇÃO EM ALAGOAS, JÁ ME MANIFESTEI A FAVOR PORQUE “QUEM NÃO TEM CÃO, CAÇA COM GATO”. TODOS NÓS SABEMOS QUE UMA AERONAVE POLICIAL FAZ DIFERENÇA NAS AÇÕES.

    AS EMPRESAS QUE SE QUALIFICAM COMO FORNECEDORAS PARA ORGAOS DE GOVERNO ESTÃO SUJEITAS A ESSES ATAQUES, MUITAS VEZES, INCORRETOS E INJUSTOS. JÁ SOFREMOS TAMBEM COM ISTO. RESTA À FLYONE, O DIREITO DE RESPOSTA À SOCIEDADE JUNTO À GAZETA DE ALAGOAS, SE JULGADO CONVENIENTE.

    CMTE AYRES – PLAH 0552.

Escreva um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

quinze + 6 =

Comentários que contrariem a lei, a honra e a intimidade serão moderados.

Comentários

comentários