Helicóptero da Polícia faz aterrissagem de emergência em Nova York

Um helicóptero da polícia de Nova York com vários agentes a bordo foi obrigado nesta quarta-feira a realizar uma aterrissagem de emergência sobre a água, no mesmo dia em que as medidas de segurança aumentaram pela chegada do presidente dos EUA, Barack Obama.

O helicóptero Bell 412 EP, prefixo N412PD, da New York City Police Aviation Unit, levava 5 pessoas, que estão a salvo, porém, uma teve que receber cuidados por ferimentos leves, segundo confirmaram fontes da polícia. Entre os ocupantes da Air Sea 12 Rescue, estavam o Comandante Nolan, um veterano de 12 anos de serviço na força, e seu co-piloto, o detetive James Varga, o chefe da tripulação, um estagiário e em dois mergulhadores da polícia, disseram funcionários. Eles foram levados para Hospital Luterano, disseram autoridades.

As autoridades investigam as causas que obrigaram à aterrissagem de emergência, mas confirmaram que o helicóptero planejava voltar para sua base aérea. Além disso, evitaram confirmar se a aeronave fazia parte da equipe responsável pela segurança de Obama ou dos líderes mundiais que participavam dos eventos das Nações Unidas.


Fontes: EFE via Terra / ASN – Foto: AP / Willian Lopez (nypost.com), via Notícias sobre Aviação, por Jorge Tadeu.


3 COMENTÁRIOS

  1. Graças a Deus a tripulação do New York Police Aviation Unit saiu-se bem dessa.

    Imagino o que teria acontecido se o helicóptero Bell 412 EP não estivesse equipado com os flutuadores, assim como são a imensa maioria dos nossos helicópteros policiais do Brasil…

    Sem os necessários flutuadores, só resta o treinamento no UTEPAS para tentar salvar a tripulação: “mão na fivela, mão na janela…” e por aí vai!

    Vamos começar a olhar com mais atenção para esse recurso de segurança chamado FLUTUADOR, ainda que operemos sobre área urbana, como foi o caso de Nova Iorque…

    MAJ PMERJ Rodrigo Duton – PCH

  2. Quantas aeronaves de segurança pública no Brasil poossuem flutuadores?
    Quanto pudemos nos deslocar da costa com um helicóptero monomotor?
    Quantos tripulantes possuem o treinamento adequado para cumprir missões de busca e salvamento…
    É ” Mão na fivela Mão na janela”
    Good fly!!
    Adilson Bornhofen
    Maj BAPM/SC

  3. Não só esse recurso, Rodrigo. Existe uma série de equipamentos que poderiam trazer maiores benefícios à operação policial. Porém, infelizmente, acabam sendo dispensados por uma mentalidade atrasada e limitada que se tem sobre segurança operacional em operações de segurança pública.

    É preciso incentivar investimentos nessa aérea de segurança operacional. Não basta apenas possuir um helicóptero se este não permitir seu devido emprego. Quando digo “devido emprego” não me refiro às adaptações realizadas pelo Brasil afora. Para mim todas essas adaptações são um atraso na AvSegPub. Essa cultura do jeitinho brasileiro pode ser interessante, “bonitnha”, mas causou uma ferida profunda no sistema. Sabe por quê? Explico. Quando se fazem essas adaptações, mascara-se a realidade. Aceita-se fugir das necessidades reais, dos padrões pré-determinados em detrimento de uma economia burra. Para cada realidade, ou missão, ou operação, como quiser, existe um equipamento adequado. Basta ter um pouco de paciência e persistência que serão encontrados. E se não forem, tem que incentivar o seu desenvolvimento. O Brasil não é o único país no mundo a operar helicópteros na segurança pública.

    Não estou querendo discriminar e desvalorizar a utilização de adaptações no desempenho das missões. Pelo contrário, elas são válidas, porém o que não me parece ser coerente é adaptar uma missão em detrimento da adaptação e posteriormente passar a adota-la como padrão. Esse é o principal problema das adaptações. Quantas unidades aéreas não estão presas à realidade que acabo de descrever? Muitas. E por quê? Porque definiram que a adaptação seria o caminho e deixaram de investir na busca de novos equipamentos. Resultado: anos e anos de inércia na AvSegPub. E, por mais que digam que as coisas estão mudando, poucas são as mudanças palpáveis. Estão em sua grande maioria apenas no campo das idéias. Surpreendente como o que eu chamo de “força oculta” que existe na AvSegPub não deixa o sistema se desenvolver. Agora quem se beneficia, ou são beneficiados, com essa inércia? Não tenho certeza. Até teria algumas teorias, mas não veem ao caso.

Escreva um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

11 + quatro =

Comentários que contrariem a lei, a honra e a intimidade serão moderados.

Comentários

comentários