SAER/RJ: O reforço que vem dos céus

As equipes estão em seus lugares e a casa está cercada. Na simulação, o local está invadido por bandidos. Chega o reforço essencial para que a ação seja finalizada com sucesso: oito agentes do Serviço Aeropolicial (SAER) e do Serviço de Operações Táticas Especiais (SOTE) descem do helicóptero blindado para retomar o ambiente.

A ação faz parte do treinamento dos policiais da Coordenadoria de Operações Especiais (CORE), no Centro de Treinamento da Polícia Civil, no Caju, para combater as atuações criminosas no estado. Com a aproximação da Copa do Mundo de 2014 e das Olimpíadas de 2016, os agentes intensificam os treinos, simulando outras situações de risco, diferentes das treinadas no cotidiano, para evitar até ataques terroristas, já que se tratam de eventos mundiais, em que pessoas de todos os países irão estar presentes.

Em outra ação, na plataforma de tiro, seis policiais armados, mais piloto e co-piloto, cercam o inimigo e, se necessário, o neutralizam, atirando no alvo. Nesse caso, os agentes não desembarcam.“Na plataforma de tiro, até seis policiais podem estar embarcados, já que é uma ação realizada no helicóptero mesmo. Nas operações no solo, podemos desembarcar até dez policiais”, explica o piloto policial Adonis Lopes de Oliveira, coordenador do Saer.

O Saer é responsável em dar apoio as ações maiores, em que as equipes que estão no lugar precisam de reforço. “Nós trabalhamos para dar apoio aos agentes que estão no solo, somando forças para o combate aos criminosos. Também treinamos atividades do cotidiano, além dessas especiais, para casos atípicos, mas que podem acontecer”, finaliza Adonis.

O helicóptero Huey II

O helicóptero Huey II foi adquirido pela Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro em outubro de 2008. A aeronave é uma modernização do modelo UH-1H, utilizado há anos pelo exército americano, inclusive durante a Guerra do Vietnã. Cerca de dez mil helicópteros Huey II já foram fabricados e vendidos para mais de 45 países do mundo.

O diferencial do Huey utilizado pela Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro são os equipamentos compatíveis com o uso, além de uma blindagem mais adequada que das aeronaves atualmente em uso, para se adaptar ao cotidiano do Estado. Desde o seu vôo inaugural, há cerca de dois anos atrás, o único tiro disparado por criminosos que atingiu a aeronve foi de um fuzil calibre 7.62, que provocou apenas um arranhão na blindagem.

O veículo já foi utilizado pela Instituição em várias ações policiais no combate ao crime organizado. Um dos momentos mais importantes na utilização do reforço aéreo foi a prisão do miliciano Ricardo Teixeira da Cruz, o Batman, chefe da Liga da Justiça, que atuava na Zona Oeste. “Nós cercamos a casa do Batman e a equipe que estava em terra só se aproximou quando ele não tinha mais como escapar. O helicóptero estava sobrevoando a casa do miliciano até que ele se entregou”, ressalta Adonis.

A Polícia Civil conta ainda com o reforço de outros dois helicópteros modelo Esquilo, que auxiliam as incursões dos agentes da Instituição em áreas de risco.

Um piloto que carrega a vocação desde criança

Há 22 anos como piloto do SAER, Adonis Lopes de Oliveira, 47 anos, tinha o desejo de seguir essa profissão desde criança. Ao ingressar na Polícia Civil, em 1986, como detetive, ele juntou a vontade de se tornar um agente da Segurança Pública com a profissão do seu pai, que era da Força Aérea Brasileira (FAB). “Eu fui influenciado pelo meu pai. Desde pequeno tinha vontade de voar, ainda mais pela profissão dele, que era da FAB. Juntei a minha vontade de ser policial com a de ser piloto”, revela o coordenador do SAER.

O piloto policial tem vários cursos de especialização, inclusive no exterior, além de ter recebido diversas premiações por sua eficiência no combate à criminalidade.

Um pouco sobre o SAER

O Estado do Rio de Janeiro foi o primeiro do Brasil a contar com uma unidade equipada com helicópteros para desempenhar missões policiais. Essa atividade iniciou com a Assessoria Aeropolicial, inaugurada em 1971.

Em 1976 passou a denominar-se Departamento Aeropolicial e em 1985, após reestruturação e fusão com a Assessoria de Operações Aéreas do Departamento de Estradas de Rodagem, passou a chamar-se Coordenadoria Geral de Operações Aéreas (CGOA) e depois Coordenadoria Adjunta de Operações Aéreas (CAOA), ligada à então Coordenadoria Militar do Estado do Rio de Janeiro, atualmente é denominada SAOA (Subsecretaria Adjunta de Operações Aéreas) e é ligada à Subsecretaria Militar da Casa Civil (SSMCC).

É importante salientar que no Estado do Rio de Janeiro existem ainda o Grupamento Aeromarítimo da Polícia Militar (GAM), o Grupamento de Operações Aéreas do Corpo de Bombeiros Militar (GOA) e o Serviço Aeropolicial (SAER), vinculado à Coordenadoria de Recursos Especiais (CORE) da Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro.

Hoje o SAER conta com 3 helicópteros: O Águia 1 e 2 (dois esquilos negros) e o Águia 3, um modelo Bell 205 Huey II, chamado de “o caveirão do ar”. Segue abaixo um video bem interessante do SAER/PCERJ.


Fonte : Polícia Civil do RJ / Fotos : Cynthia Tomari

Fonte : A Saga do Concurso Policial


5 COMENTÁRIOS

  1. Parabéns aos amigos da SAER pelo desempenho de tão nobre e arriscada missão sobre as áreas urbana do nosso Rio de Janeiro!

    Especialmente tratando-se do meu amigo ADONIS, registro aqui todo o meu respeito e admiração por esse profissional que é considerado hoje o melhor piloto policial do Brasil!

    Muito sucesso e bons voos!!

    Rodrigo Duton – CAP PMERJ / PCH
    Grupamento Aéreo e Marítimo (GAM)

  2. Hoje não existe mais a CAOA (Coordenadoria Adjunta de Operações Aéreas), mas sim a SAOA (Subsecretaria Adjunta de Operações Aéreas) que é ligada à Subsecretaria Militar da Casa Civil (SSMCC), não mais à Coordenadoria Militar da Casa Civil (CMCC).

    Desde janeiro de 2007 extinguiram-se os termos “Coordenadoria” e passaram a adotar os termos “Subsecretaria”.

    Na prática, pouco ou nada mudou!

    Tive o prazer de trabalhar na CAOA entre os anos de 2003 e 2006. Nesse período, fizemos grandes reformas no hangar de manutenção, alojamentos dos pilotos e tripulantes, bem como reformamos todo o prédio principal.

    Deixamos a casa arrumada para o que hoje chama-se “SAOA” e está sob nova administração.

    Att,

    Rodrigo Duton – CAP PMERJ / PCH
    Grupamento Aéreo e Marítimo (GAM)

  3. Parabéns a toda equipe do SAOA, ficamos felizes quando vemos os estados investindo em treinamento e capacitação. Sabemos dos perigos que cercam a nossa atividade diariamente e com profissionalismo e seriedade vamos alcançar o tão desejável nível de excelência.

    Parabéns a todos.

    Maj Gonçalves
    Assessor Especial de Aviação Policial – DFNSP
    Presidente do CONAV – SENASP – MJ

  4. Prezados amigos,

    Desculpem-me se causei algum mal entendido com o meu segundo comentário nessa postagem…

    Para sanar eventuais dúvidas, passo a explicar:

    Atualmente (2010) o Estado do Rio de Janeiro possui quatro órgãos de aviação distintos e independentes:

    GAM – Grupamento Aéreo e Marítimo da PMERJ, criado em 21/03/2002. Opera aviões e helicópteros.

    SAER – Serviço Aeropolicial da PCERJ, criado em 2004, salvo engano. Opera exclusivamente com helicópteros, sendo um deles o HUEY II (sapão, também chamado “Caveirão do ar”).

    GOA – Grupamento de Operações Aéreas do CBMERJ, criado em 2004, salvo engano. Opera somente com helicópteros pois seu único avião, o AIRTRACTOR, acidentou-se em maio desse ano e teve perda total.

    SAOA – Subsecretaria Adjunta de Operações Aéreas, da Casa Civil. Opera exclusivamente com helicópteros, possuindo a maior frota do Estado do RJ. Possui AS 365 N1 Dauphin, EC 135, AS 355 e AS 350 BA e B2.

    A SAOA foi batizada como Subsecretaria em janeiro de 2007. Até então era uma Coordenadoria (CAOA).

    A SAOA chama-se CAOA entre 2003 e 2006 (Governo de Rosinha Garotinho).

    Entre 1985 até 2003, era a famosa “CGOA” – Coordenadoria Geral de Operações Aéreas.

    Antes de ser CGOA, era chamada de “Assessoria Aeropolicial”, criada em 1971.

    A Assessoria Aeropolicial foi a primeira unidade aérea do Brasil a utilizar helicópteros em missões policiais e de defesa civil.

    Att,

    Rodrigo Duton – CAP PMERJ/PCH
    Grupamento Aéreo e Marítimo (GAM) – PMERJ

    Resposta do Site: Caro Duton obrigado pelas informações, pois delas corrigi o artigo. Não houve engano seu. Eu corrigi e mantive seu comentário. Obrigado pela ajuda.

    Abraços

    Eduardo Beni

Escreva um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

20 + seis =

Comentários que contrariem a lei, a honra e a intimidade serão moderados.

Comentários

comentários