“Frajola”, o mascote da BRPAe Praia Grande/SP

Gato ou cachorro. Tanto faz. Quem gosta de animais sabe a importância que eles têm em qualquer lugar. E quando esses bichos vivem em um local de trabalho, acabam ajudando a descontrair o ambiente e até mesmo a aproximar as pessoas. Prova disso são os mascotes Frajola, Marrom, Bia e Negão.

O primeiro fica na Base de Radiopatrulha Aérea da Polícia Militar em Praia Grande. Marrom e Bia são as mascotes do Grupamento do Corpo de Bombeiros do Município e Negão é o fiel escudeiro das moças que vendem passes de ônibus no Terminal de Passageiros Tude Bastos.

Com suas características próprias, cada um desses animais faz parte da rotina muitas vezes estressante desses profissionais. E, de certo modo, ajudam a aliviá-la.

Frajola

O gato Frajola ganhou esse nome quando apareceu na Base de Radiopatrulha Aérea da Polícia Militar em Praia Grande há cerca de um ano. Chegou magro e desnutrido. Hoje, mais gordo, exibe uma pelagem brilhante, além dos belos olhos verdes. Apesar da aparente preguiça, já que vive dormindo pelos cantos, adora cair na esbórnia.

“Teve uma semana que ele sumiu. O pessoal perguntava “cadê o gato?”, “cadê o gato?”, “será que alguém matou ou atropelou?”. Que nada. Era cio de gata e ele ficou fora uma semana. Voltou magrelo, surrado, sujo”, conta o comandante do helicóptero Águia capitão PM Adriani José de Souza.

O episódio, contudo, vive se repetindo. “Tem um temporário aqui que cuida dele, limpa, dá comida”, explica Souza. “Se ele está aqui, é porque não tem gata no cio nas redondezas”.

Além de gostar da comida oferecida na base do Águia, Frajola também aprecia dormir nos alojamentos, onde tem colchões e tapetes. “Se deixar aberto, ele entra e dorme lá”.

A fim de evitar que Frajola vá para o xilindró, o alojamento do comandante da base, major Nivaldo dos Santos Furlan, fica sempre trancado.

Marrom e Bia

Uma é dócil. A outra é meio arredia. A cadela Marrom e a gata Bia, no entanto, convivem de forma harmoniosa no Grupamento do Corpo de Bombeiros de Praia Grande.

Marrom chegou ao local há cerca de dois anos, um ano depois da companheira Bia. “A Bia foi uma cria de um gato”, lembra o comandante do Corpo de Bombeiros da Cidade, tenente PM Tiago Pinheiro Duarte. “A gente queria um gato aqui para espantar ratos”.

Já Marrom foi adotada quando apareceu judiada e despertou a compaixão de toda a corporação. “Coincidiu que nosso mascote tinha falecido de velhice e acabamos adotando ela”, explica Duarte. “A gente fala que todo quartel tem que ter um mascotinho. Nesse aqui tem dois”.

Negão

O nome, nem precisa falar, é por causa da cor. Negão chegou ao Terminal Rodoviário Tude Bastos há cerca de dois anos. Ganhou comida, carinho e um colete onde se lê “segurança”.

O cachorro é querido por todos que trabalham no local, principalmente pelas responsáveis pela venda dos bilhetes de ônibus. São elas quem cuidam dele.

Preguiçoso, elas contam que Negão adora dormir e é muito dócil. Contudo, sai de perto quando algum outro cachorro tenta entrar no terminal. Ele late e põe para correr.

Fonte: Jornal A Tribuna

8 COMENTÁRIOS

  1. kkkkk! Que bacana! Recordei-me de um cão de guarda no Pelotão de Bombeiros de Ouro Preto/MG: “ZULU!”, assim era chamado por todos integrantes do Pelotão. Realmente os animais dão outra vida à rotina das unidades! Cuidem bem do Frajola pessoal de Praia Grande!! Forte abraço a todos e bons voos!!!

    Farley, Cap CBMMG
    SCmt BOA/MG

  2. No BAVOP/PMDF tb tinhamos uma mascote.. a “chakira”, mas acho q de tão dócil e bonita acabaram capturando ela na rua e levando para casa. Pois ela vivia conosco no quartel, mas sempre saia para dar uma volta. Agora temos uma gata.. q até já teve filhote. Muito legal a matéria.. realmente animais no local de trabalho trazem descontração. Abraço.

  3. Já vai longe o tempo que tivemos Mascotes na Base de Campinas, foi o Xampoo, o Tigrão, a Pantera, o Tass (demônio da Tasmania)…realmente fizeram parte do cotidiano. Hoje ensaiamos ter um, eles fazem a diferença, espairecem o ambiente, dá até pra dizer que são generosos e fortalecem as amizades…parabéns pela matéria…

  4. Pessoal,

    Boa tarde,
    Parabéns pelo carinho de todos, com os animais.
    Eu, especialmente amo animais e muito, me ajudaram e me ajudam a superar grandes dificuldades em minha vida, são leais, companheiros, especiais e muuuito carinhosos. Lindoooo frajola!!! Adoro gato!!!

  5. Dia 14 de maio de 2012, chegou à BRPAe Praia Grande mais uma mascote, batizada de “Lina Gasolina”.

    Trata-se de uma gatinha, ainda filhote. Ela veio do interior paulista, São José dos Campos, escondida dentro do capô do carro. Rodou por 02:45h, 170km.

    Como todos sabem, nos dias de baixa temperatura, gatos costumam ficar próximo dos carros, por conta do calor produzido pelo motor. Já os filhotes, sem noção do adequado gerenciamento de risco, costumam entrar por baixo do carro. Foi o que aconteceu… Ela viajou alojada sobre o câmbio.

    Ao ser descoberta, estava desidratada e sofreu queimadura nas patas, mas já está quase 100% recuperada.

    Está fazendo companhia ao Frajola…rs

  6. Pena que quando fomos à BRPAe fazer a matéria a Lina Gasolina ainda não havia chegado. Se tivesse, certamente estaria ao lado do Frajola e teria sua curiosa história contada. Tanto a foto do gato boêmio quanto dos outros animais são do competente repórter-fotográfico Davi Ribeiro, do jornal A Tribuna.

Escreva um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

3 + dezessete =

Comentários que contrariem a lei, a honra e a intimidade serão moderados.

Comentários

comentários