Polônia – Os primeiros voos de resgate foram realizados na Polônia após a Primeira Guerra Mundial, utilizando aviões pertencentes aos militares e aeroclubes. Em 1955, o Ministério da Saúde e Previdência Social criou uma unidade de aviação aeromédica civil como parte do sistema de saúde.

Logo existiam 15 equipes aeromédicas estabelecidas transportando doentes e feridos, remédios, sangue, vacinas e equipamentos médicos. Os profissionais de saúde também foram levados a bordo para que pudessem realizar operações médicas complexas em partes remotas do país.

Em 2000, o Ministério da Saúde criou o atual HEMS (Helicopter Emergency Medical Service). A Equipe de Aviação Médica Central foi dissolvida e o Resgate Aeromédico Polonês (Lotnicze Pogotowie Ratunkowe – LPR) foi estabelecido em seu lugar. Agora é uma estrutura uniforme, financiada pelo Ministério da Saúde, o que é uma situação singular no mundo.

Depois de ingressar na União Europeia em 2004, a Polônia começou a se preparar para uma modernização intensiva de sua infraestrutura, incluindo estradas e ferrovias. Consequentemente, a frota de aeronaves HEMS foi modernizada para helicópteros, mais adequados para atender às vítimas de acidentes rodoviários. É por isso, em 2008, o Resgate Aeromédico Polonês (LPR) encomendou 23 novos helicópteros H135 / EC135, junto com um simulador de voo.

A primeira dessas aeronaves chegou à Polônia em setembro de 2009 e, dois meses depois, começou a operar em Cracóvia, dando início a uma revolução técnica no serviço aeromédico polonês. Em 2015, graças ao financiamento da UE, a LPR comprou quatro H135 adicionais da Airbus para que pudesse estabelecer quatro novas bases no país. (Saiba mais)

A expansão do número de aeronaves de asas rotativas levou a um aumento na disponibilidade de helicópteros de resgate, bem como a uma redução no tempo necessário para chegar aos pacientes.

Hoje, a LPR mantém 22 bases HEMS em todo o país (21 permanentes e uma sazonal), operando um total de 27 helicópteros H135 / EC135. Este serviço também inclui uma “equipe de transporte de aviões”, em Varsóvia. Suas tripulações voam dois Piaggio P.180 Avantis, com dois novos Bombardier Learjet 75. (Saiba mais)

Cada base emprega pilotos, médicos, enfermeiras e paramédicos. Cerca de 750 pessoas trabalham para o Resgate Aeromédico Polonês, incluindo 120 pilotos, 100 paramédicos e 140 médicos.

A modernização do serviço aeromédico polonês resultou em altos padrões para emergências médicas, com aumento considerável de voos. As equipes de helicópteros realizam atualmente mais de 12.000 missões por ano, 88% das quais são voos HEMS, principalmente em resposta a acidentes.

Cada equipe inicia o tratamento do pacientes na chegada e durante o transporte para o hospital mais próximo, dentro do chamado “período de ouro”. Em 2020, as tripulações LPR voaram um total de 11.000 missões, 10.650 das quais utilizaram helicópteros.

Lotnicze Pogotowie Ratunkowe realizou mais de 11.000 missões em 2020, muitas das quais utilizaram os helicópteros H135 / EC135 deste operador polonês.

Escreva um comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

10 − seis =

Comentários que contrariem a lei, a honra e a intimidade serão moderados.

Comentários

comentários