Requisitos para seleção de Tripulante Operacional

SÍLVIO LUIZ FRANK

RESUMO

A atividade aérea aplicada à Segurança Pública é utilizada pela maioria das Polícias Militares no Brasil, apresentando-se de forma positiva no apoio das mais variadas missões em que é empregada; porém, trabalhar a bordo das aeronaves apresenta um alto grau de complexidade, por exigir a aplicação de doutrinas distintas durante sua operação, no que se refere à doutrina policial e aos procedimentos operacionais específicos para cada modelo de ocorrência em que são empregados, aliados à doutrina de segurança de vôo aplicada em grau máximo a todo instante entre o acionamento e o corte dos motores.

Além desses fatores que influenciam o vôo em um cenário externo à aeronave, alguns outros fatores notados no interior da cabine também devem ser observados com extrema cautela, pois a tripulação deve estar em uma posição que favoreça o cenário da ocorrência e tais fatos apresentam-se de forma crítica, exigindo atenção, processos de decisão e comunicação entre a equipe, no mesmo momento em que é necessária também a atenção aos rádios policiais e aeronáuticos, causando elevado estresse a todos que participam da missão.

Para o total controle desse cenário e a manutenção da segurança de vôo, os tripulantes contam com equipamentos e instrumentos para auxiliá-los, mas toda essa tecnologia exige o máximo de experiência de seus operadores, sendo necessária a atualização constante e nível de atenção diferenciado para gerenciar todos os fatores descritos para a realização de um apoio eficaz e eficiente ao pessoal em terra.

Para a realização das funções a bordo de aeronaves policiais, os tripulantes devem apresentar certos requisitos que demonstrem sua aptidão e habilidade para esse exercício.

Somente através de exames de seleção é possível identificar a competência e os talentos necessários aos tripulantes para exercer as funções a bordo de aeronaves policiais, e o objetivo desta obra e a identificação dos requisitos que devem ser aplicados para seleção dos aeronautas, a fim de colaborar com o aprimoramento constante do Grupamento de Radiopatrulha Aérea – João Negrão.

Palavras chave: Requisitos para seleção, tripulantes, competência, aptidão e habilidade


Clique e faça o download da monagrafia
(Monografia de conclusão do Curso de Aperfeiçoamento de Oficiais I – 2009)


O autor: Sílvio Luiz Frank é Major da Polícia Militar de São Paulo, trabalha no Grupamento de Radiopatrulha Aérea e é Comandante da Base de Radiopatrulha Aérea de Bauru. É piloto comercial de helicóptero e instrutor de voo. Já está no GRPAe há mais de 20 anos e possui larga experiência na área.


6 COMENTÁRIOS

  1. Realmente, ser tripulante de uma aeronave de emprego policial exige grande capacidade, talento e, acima de tudo a responsabilidade a cada segundo da ação, seja ela de resgate ou abordagem. Parabéns à todos que dedicam suas vidas à tão importante missão.

  2. Parabéns pela matéria ao Sr. Major Silvio Luiz Frank e também a todos os pilotos e aos tripulantes operacionais do estado de São Paulo que devido a quantidade de ocorrências e variáveis de clima, tipo de ocorrência, relevo, áreas restritas, pousos elevados e muito mais, se não a melhor, uma das melhores escolas de tripulantes operacionais do Brasil !!!

    Voar, Pairar, Salvar!!! OPERAÇÕES AÉREAS !!!

    Cb. Reis – T.O – PMDF

  3. Ser Tripulante Operacional, Operador de Equipamentos Especiais, Observador, ou como queiram denominar a função, requer do postulante a essa função principalmente voluntariado,proatividade e total abnegação, a preparação do homem para tal trabalho tem que ser técnica e não sacrificante como fazem por aí algumas instituições. O processo é p selecionar e não para massacrar o homem, não somos super-humanos.
    Nos estados em que se tem a integração das corporações
    temos uma função polivalente, onde somos ao mesmo tempo, bombeiros socorristas e policiais, isso torna o profissional mais completo possível.
    Parabéns a todos que exercem essa nobre função, e parabéns ao Mjr Silvio pela monografia.

  4. Parabéns ao Major Sílvio. Não é à toa que temos ótimas referências à respeito deste profissional da aviação policial. Esta excelente e oportuna matéria, auxilia sobremaneira em alguns questionamentos que a própria tropa lança sobre nós, tripulantes operacionais! Mais uma vez, parabéns e obrigado Major. À cada dia me orgulho ainda mais de fazer parte desta família…
    Bons voos à todos.

    Sd Álvaro Trip.Operacional
    GRPAe/SP
    BRPAe Araçatuba.

  5. Parabéns ao Major Sílvio L. Frank pelo excelente artigo, contribuindo para melhoria de todos que atuam nesta area de tanto valor para policia e principalmente para todo cidadão. Parabéns acima de tudo pelo empenho e idoneidade profissional que contribuem para aumentar a credibilidade da instituição.

  6. Parabéns ao Maj Sílvio, não só pela matéria mais também pelo maravilhoso trabalho que vem sendo realizado ao longo desses 20 anos de carreira, que continue sendo sempre este exemplo de profissional. Parabéns!

Escreva um comentário

13 − cinco =

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.
Ao enviar esse comentário você concorda com nossa Política de Privacidade.

Comentários

comentários